quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Respeitável público!

Diante da proximidade do pleito eleitoral, quero entregar-lhes este texto. Ele não fala sobre a nossa Sampa, mas, tem tudo a ver com ela e com o nosso Brasil.
É o meu testemunho pessoal e assinado. É a minha tentativa pessoal para contribuir, de alguma forma, para que as pessoas votem em seus candidatos, com mais consciência. (Zeca)


Quando eu era pequeno, uma das maiores alegrias da criançada era a chegada de um circo perto de casa. A alegria tomava conta dos nossos corações que passavam a semana toda se enchendo de expectativas e aguardando o fim de semana para ir ao circo. E a recompensa era certa! O apresentador sempre se dirigia ao público com a seguinte expressão: “Respeitável público...” E apresentava os números que nos traziam o mundo encantado dos malabaristas, equilibristas, mágicos, alguns animais e, sempre... os encantadores palhaços! Os anos se passaram e o circo, como o conhecemos, chegou ao fim! Aquele circo que nos fazia sorrir, que mesmo com a lona rasgada e o pequeno faturamento, se importava mesmo é com a alegria da garotada, que instalava um clima de magia no ar.

Este ano, como acontece sempre, temos o pleito eleitoral que nos traz de volta, já adultos, a magia do circo. Não é a mesma magia de antigamente, mas o picadeiro está armado e os apresentadores nos dizem: “Respeitável público, nos dêem seus votos para que possamos entrar no picadeiro!” Esse circo é muito rentável, onde uma plêiade de atores transformados em palhaços, malabaristas, equilibristas, cantores, atores e mágicos disputam seus lugares ao sol, de preferência regados a uísque (importado) e dinheiro (muito dinheiro). Esses atores não se importam com a alegria do seu público e sim com a deles próprios.

O que conhecemos agora como “ficha limpa”, aprovado recentemente sob o clamor popular,nada mais é do que obrigação de todos, embora não seja segredo para ninguém, que o “ficha limpa” não garanta a idoneidade dos candidatos, apenas se limitando a conferir o histórico dos mesmos.

Mas o que acontece com o crivo das pessoas e dos líderes dos partidos, quando pensam em colocar certas pessoas nas disputas pelos cargos em todo o país, sem exceção? Temos por aí as candidaturas da Mulher Pera, do Tiririca, dos irmãos do KLB Kiko e Leandro, do Ronaldo Esper e do Batoré, preferindo eu parar por aqui, para não estender demais este texto. É um verdadeiro circo ou não é? E o que passa pela cabeça de um cidadão ao aceitar esses candidatos, que nem ao menos sabem o que faz um deputado ou um senador? Na verdade isso nem importa, se levarmos em consideração que os nossos deputados e senadores (muitos deles) também não saberiam responder essa pergunta decentemente.

Eles sabem, sim, enriquecer, empregar familiares e amigos, além de defender interesses de quem financiou sua campanha (veja PCC x Ney Santos, noticiado exaustivamente nos últimos dias) e todos os cambalachos que nós, cidadãos, nem desconfiamos da existência. Mas o que mais me incomoda mesmo não é o fato de comprovar essas candidaturas “estranhas”, mas sim constatar a possibilidade de que eles sejam eleitos.

O nosso povo é tão desprovido de educação e cultura (bases que deveriam ser fundamentais em todas as sociedades), tão desestimulado ao esforço do aprendizado que se mantém na ignorância e se sente agradecido e devedor ao “Grande Pai” que lhe dá “bolsa família, bolsa presidiário, bolsa isto, bolsa aquilo” sem que ele precise se esforçar em melhorar, em aprender, em se instruir. Também, se o próprio presidente da república diz com orgulho não ter estudo, ser filho de mãe que se manteve analfabeta durante toda a vida e revela ser incapaz de ler um livro, quer exemplo maior dessa falta de educação e cultura que já se tornaram endêmicas em nosso país?

Os candidatos, ao fazerem suas propostas eleitorais, prometem aos eleitores mais investimentos na área de assistência social, acreditando que o povo tem fome apenas de comida. Esquecem que para haver uma população saudável, ela precisa, acima de tudo, de instrução para saber evitar o que lhe possa causar mal. Através da instrução, se transforma analfabetos em pessoas capacitadas a ler e entender o que está lendo, a escrever com clareza suas idéias e suas necessidades, ler e entender o que a imprensa escrita e falada mostra todos os dias e, com tudo isso, formar suas próprias opiniões e saber externá-las através do mais poderoso instrumento que possui, que é o voto. Mas isso não interessa aos políticos de plantão, pois é muito mais fácil enganar pessoas sem instrução que geralmente não possuem as informações necessárias para distinguir o que é certo e o que é errado dentro dos discursos dos nossos políticos e, conscientes dos seus direitos, os cobrem dos governantes.
Os candidatos à presidência, não trazem absolutamente nenhuma novidade em seus discursos, em seus “programas” de governo! Todos eles representam a continuidade do “coronelismo”, do “paternalismo”, que parecem incrustados em nossas memórias e em nossos corações. Desses, dois estão no centro do picadeiro, dois rondando pelas arquibancadas e os demais, circulando por fora do Grande Circo, por não terem conseguido ingresso.
Portanto, os únicos que nos interessam de verdade, neste momento, são os que estão no picadeiro. Um, que não se decide se é mágico, se é palhaço ou malabarista, não mostra o menor talento para o entretenimento do respeitável público e, mesmo se em seu íntimo guarda o grande e tão esperado Artista, não consegue transmitir nada e fica circulando, como o palhaço que apanha sempre e não bate nunca, com os olhos vendados e as mãos atadas. A outra, representa o palhaço esperto, que se mantém no centro das atenções graças a sua esperteza e, batendo no outro, arrebata o grande público que acaba torcendo por ela e mantendo-a no centro do picadeiro. Ela também está travestida com a fantasia do seu mentor e mestre que é o verdadeiro Grande Palhaço desse circo! Ele sim sabe fazer a criançada feliz, com suas tiradas desinteligentes e espirituosas, suas trapalhadas, suas ligações com os outros Grandes Palhaços de outros Grandes Circos.

E nós, infantilizados pela falta de educação e cultura, que não é privilégio desse Grande Palhaço, mas que vem de séculos de paternalismo-coronelista, acabamos mantendo esses mesmos “artistas” no Grande Picadeiro, eternizando nossas carências e alimentando nossos egos com nossas risadas inocentes e infantis. Aplaudindo qualquer palhaçada, mesmo aquelas que não faríamos em nossas próprias vidas.

E, na falta de opção, acabamos divididos entre o candidato a palhaço que apanha e a candidata que bate. Resta decidir se ficaremos ao lado daquele ou desta.
Aquele trabalha no Grande Circo há décadas, tendo representado grandes papéis e conseguido, em seus melhores momentos, trazer sorrisos ao rosto da garotada. A outra passou, meteoricamente, de ilustre desconhecida a atriz secundária no show do Grande Palhaço que é mais ilusionista que outra coisa. Ela não trouxe nenhum sorriso e tem uma história obscura, cheia de boatos (ou fatos?). Ela me parece ser o dedo que falta na mão esquerda de seu mestre. E além deles, temos uma verdadeira constelação de astros e estrelas secundários, que se candidatam aos demais cargos nesse circo que é maior do que coração de mãe. É aí que entram as pessoas mais despreparadas que só querem mesmo é se dar bem, já que seus shows solos não rendem mais boas bilheterias.

Sinceramente, eu não sei onde vai parar tanta gente incompetente! Mas o que mais me assusta não é saber que aceitamos e até apoiamos candidatos fruta, candidatos artistas, candidatos palhaços; o que me assusta mesmo é ver a possibilidade de que eles sejam todos eleitos e, aí sim, poderemos nós, cidadãos brasileiros, pegarmos nossos narizes vermelhos e sairmos por aí festejando a chegada de mais um Grande Circo, com seus números velhos e requentados, sem nenhuma novi
dade.
Bem, eu não quero continuar sendo taxado de “povo ignorante”, por isso, estou checando muito bem os meus futuros representantes, o que eles já fizeram pelo país, o que se propõem a fazer e vasculhando seus históricos de vida e de atuação. Eu não quero ser conivente com o que vejo em todos os escalões do poder, não quero ser hipócrita a ponto de não perceber a que ponto meus votos poderão nos levar e àqueles que virão depois de mim. Eu quero renovar esse Grande Circo, trazer para o picadeiro artistas que tragam novidades e, de verdade, tragam alegria ao meu coração!
Eu não quero deixar como mensagem a frase: “dia 3 de outubro, coloque seu nariz de palhaço e vá votar!”

Por Zeca Paes Guedes

7 comentários:

Arthur Miranda disse...

Zeca,
Sem uma reforma política séria que responsabilize e puna os partidos políticos pelos desmandos e desonestidades de seus filiados, que pelos mesmos partidos escolhidos foram para representar o povo no governo. Inútil será votar, pois ao escolhermos um bom candidato e o mesmo sendo bem votado, estaremos elegendo um monte de pilantras, que não merecem ser nem pipoqueiro desse circo (sem preconceitos aos pipoqueiros.) A ficha Limpa já deveria vir limpa diretamente das comissões de éticas dos próprios partidos.
Adorei seu texto Zeca, pena que o mesmo não esteja postado na primeira pagina de todos os Jornais do Brasil.

Soninha disse...

Olá, Zeca!

Este brado retumbante deveria estar em todos os meios de comunicação, incluindo os carros de som, para qur todos os brasileiros pudessem ter acesso...que pudessem ouvir...saber destas coisas e se conscientizarem.
Como seria bom se nos horários gratuitos, nas emissoras de TV e rádio, pudéssemos ouvir este seu texto.
Que pena que pouco o lerão.
Está ótimo este seu texto! Sensacional!
Gostei muito. Vou postá-lo, também no Roda de Prosa, se vc me permitir.
Valeu, Zeca!
Obrigada.
Muita paz!

Laruccia disse...

O circo que vc apresenta, Zeca, pelo elenco de astros e estrelas de conhecidas notoriedades, enfrentam uma troupe de assustadores personagens diferenciados nos papeis que vão representar. Não ha sinais ou perspectivas de que o drama a ser apresentado, vai de encontro as esperanças do público que paga, (e muito), pra ter uma existência digna, decente e honrada. Pela belíssima narrativa, chego a conclusão de que não se trata de circo de palhaços, malabaristas, equilibristas, mágicos etc. Se trata, isto sim, de um CIRCO DE HORRORES. Parabéns pela extença e bem elaborada crônica, Guedes.
Laruccia

Luiz Saidenberg disse...

Ótimo texto, Zeca. Pena que tem,os acesso apenas a uma classe mais selecionada e consciente. De resto, é como Chacrinha, o Velho Palhaço, berrava: - Vocês querem bacalhau???!!! Pobre do Brasil !
Abraços.

Miguel S. G. Chammas disse...

Zecamigão, teu texto, para repetir o que todos já disseram, faz jús ser divulgadoi em toda a imporensa falada, escrita e exibida do país. Assim, quem sabe, os mais desprestigiados pudessem ver, ler ou ouvir e, meditar sobre o tema.
Eu, como vc já deve ter percebido em outras manifestações "Estou tiririca com o que estão fazendo com nosso Brasil. Acho dilmais!"

Bernadete disse...

Zeca, estou com a maioria. É uma pena saber, que poucos terão acesso a esse belo e esclarecedor texto.
O Miguel está "tiririca" e eu estou muito assustada, com o que irá acontecer depois da eleição.
Um abraço

Leonello Tesser disse...

Zeca, é uma pena que o povão ainda não sabe separar o jôio do trigo, seu texto é espetacular e devia ter maior penetração nos meios informativos, valeu Zeca, abraços, Nelinho.