sexta-feira, 29 de junho de 2018

Gordinho


imagem: EMEF Rui Barbosa - Vila Guilherme

No ano de 2000, eu estava um pouquinho ( para ser modesto) fora do peso. Nesta época eu lecionava à noite  na EMEF Rui Barbosa , nos altos da Estrada da Conceição na Vila Guilherme. 
Sempre fui um amigo professor e um professor amigo. Durante as aulas eu era o professor amigo, aquele que atende mas mantem a ordem e a disciplina. Fora das aulas era o amigo professor, amigo antes de ser professor.
O estacionamento da escola ficava em um terreno de frente para a escola, do outro lado da rua.
Um belo dia, já no horário de verão, e portanto dia claro, apesar das 18:30 horas, estacionei o carro e me preparei para atravessar a avenida, no exato momento em que vinha um destes caminhões que vende produtos de limpeza, anunciando a todo volume a aos altos berros os seus produtos.
Como estes veículos andam bem devagar, tentei atravessar; quando fui, achei que não dava e parei, no mesmo instante que o motorista parou também.
Como eu parei ele foi, e como ele parou eu fui também, e novamente deu-se o impasse; parei eu, parou ele, e para não ficar neste vai e para, para e vai, o motorista do caminhão falou no alto falante: " ATRAVESSA GORDINHO".
Eu sorri e fui. Ao chegar do outro lado da rua, ele brincou de novo :" BOA NOITE,GORDINHO".
Um grupo de alunos que já estava na porta da escola, caiu  na risada, eu sorri também, entrei e fiz meu trabalho normalmente. 
Dia seguinte cheguei na escola e percebi que havia um número incomum da alunos na porta da escola, mas não atinei com nada, parei o carro normalmente no estacionamento e fui para o meio fio, a fim de atravessar a avenida, quando parei para ver se não vinha vindo ninguém, a moçada lá do outro lado, em coro entoou:" ATRAVESSA GORDINHO". Sorri e atravessei, chegando ao outro lado, a turma me recebeu com um sonoro:" BOA NOITE GORDINHO". E foi aquele mundo de risada, cujo som delicioso, escuto até hoje pelos ouvidos d'alma e com saudade no coração.

Por Marcos Aurélio Loureiro

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Somos largados, mas somos unidos














Início dos anos 1960,  eufazia o curso de secretariado no período da manhã no Colégio Comercial Frederico Ozanam, à tarde trabalhava na São Paulo – Companhia Nacional de Seguros, ligada ao Banco Comercial do Estado de São Paulo, como auxiliar de escritório, e à noite fazia a Cultura Inglesa.
Era puxado. Não havia tempo para almoçar. Era cachorro quente com guaraná, na Salada Paulista. Esse primeiro emprego, eu posso dizer, foi um estágio, pois comecei a usar a taquigrafia e melhorar minha velocidade na datilografia. Depois, com o diploma na mão, ficou mais fácil conseguir meu sonhado emprego de secretária.
Essa dureza acontecia de segunda a sexta, porque no sábado vinha a recompensa e valia realmente a pena.
No segundo ano do curso, começamos a nos preparar para a formatura. Os rapazes da Contabilidade, que era no período noturno, apareceram para propor uma reunião de todas as turmas para as comemorações de final de curso. A ideia era juntar Contabilidade, Secretariado e mais a turma que estava terminando o ginásio numa só festa. Primeiras reuniões, eleição da comissão de festas, o que fazer para angariar fundos, sugestões. Enfim, a partir daí começaram a aparecer as rifas, os bailes pró-formatura, novas amizades.
A escola era para alunos de baixa renda, mas oferecia muita atividade extracurricular e havia sempre passeios organizados por algum professor, como uma aula/piquenique, onde aprendíamos sobre tipos de rocha, ou lá no alto do Pico do Jaraguá, recebíamos informações sobre as trilhas dentro do parque. Isto é, os professores se esforçavam, mas nem todos estavam dispostos a uma aula em pleno domingo.
“Nem todos” éramos nós, um grupo à parte, os da comissão de formatura e vários agregados e simpatizantes. Tanto que um professor uma vez falou que éramos largados, pois nos passeios da escola ficávamos separados dos outros alunos.
Acabou se tornando a turma mais famosa da escola e a mais heterogênea. Começou a se formar a partir das primeiras festas pró-formatura, os primeiros namoros, os primeiros piqueniques. Se encontraram, foram ficando e não mais se largaram. Tinham até um hino que dizia “Largados uma vez, largados toda vida. Largados sem preconceito, somos largados, mas somos direitos. A alegria é o nosso lema e com respeito não temos problema. Somos largados, somos queridos, somos largados, mas somos unidos”.
A escola não existe mais, mas há mais de 50 anos se encontram para celebrar a amizade.

Por Teresa Fiore


segunda-feira, 16 de abril de 2018

Quem pode entender?



Sempre procuro contar coisas engraçadas e hilárias vivida por mim, nos meus mais de 67 anos, mas todos sabemos que, infelizmente, a vida não é feita só de alegrias; algumas coisas são tristes como a história que vou contar hoje. Triste e intrigante, dai o título dela. 
Todos os amigos deste site sabem que vivi 47 anos da minha vida na Parada Inglesa, bairro da zona norte de São Paulo. Da casa em que nasci até a última onde morei naquele bairro, não havia mais que dois ou três  km quadrados, portanto conhecia todo mundo que morava por lá. Um destes meus conhecidos chamava-se José Rodrigues. Ele foi uma pessoa pública, muito famosa, não com este nome, mas sim, com seu nome artístico que não vem ao caso agora, até porque, para mim, ele sempre foi apenas o Zé, um tremendo de um amigão e muito mais que isso, meu irmão maçom. O Zé sempre foi uma pessoa muito saudável, forte, sacudido, não fumava, bebia apenas socialmente e apesar de artista, tinha uma vida regrada e não cometia excessos. Quando o Zé estava com 62 anos, em 2012, aconselhado pela filha, a Aninha, que é médica pediatra, ele foi fazer um check-up geral com um cardiologista conhecido dela. Fez esteira, eletro, foi auscultado e tudo mais. Segundo o médico e pelo resultado dos exames o Zé estava inteiro. Naquele mesmo dia a Aninha foi até o apartamento dele para saber dos exames e o Zé disse que o médico havia falado que estava tudo bem, mas ainda assim pediu que a filha desse uma olhada nos exames, o que ela fez, e pelo que ela entendia de cardiologia, realmente não havia nenhum motivo para preocupação. Bateram um papo, e depois de uns 40 minutos ela se despediu do pai e da mãe e foi embora. Quando chegou na portaria do prédio, na hora que a porta de elevador abriu, o porteiro já a esperava dizendo para ela subir que, pelo interfone a mãe houvera avisado que logo depois que ela saiu, o pai não sentira-se bem. Imediatamente ela voltou, ele morava na cobertura do décimo-quarto andar, quando lá chegou o Zé já estava morto, sofrera um infarto fulminante.
Então eu pergunto: Meu Deus do Céu, quem pode entender?... Quem pode entender?

Por Marcos Aurélio Loureiro

O marginal



Corro pelas marginais dos rios sujos da Pauliceia de todos os rumos 

com o pudim de coco no saquinho plástico
e os esqueletos magros dos cachorros soltos
da cidade de ferida aberta atrás de mim.

Corro pela São João e a Ipiranga de toda gente de toda espécie

com o pão de mel na mão de unhas pretas pela fuligem cinza
e os motoqueiros de viseira inútil das buzinas insanas atrás de mim.

Corro pela Paulista da elegância com o anel de pedra de mil quilates 

no bolso direito das calças jeans e a ambulância do instituto do coração na exclusiva faixa da via pública atrás de mim.
Corro pelo Minhocão do padre Péricles com o buquê no peito dos laços rosa entre as lanternas vermeho-brancas do subsolo escuro da Praça Roosevelt para lhe dar um beijo na sua boca inchada, mas a polícia de cavalos pardos atrás de mim. 

Por Eloi Fonseca

sexta-feira, 23 de março de 2018

Eu vou morrer



No ano de 1960, mês de fevereiro, meu irmão mais velho, estava fazendo 15 anos. Nós morávamos na Parada Inglesa, desde 1944, portanto ele havia nascido lá, e conhecia todo mundo. Eu estava com 9 anos, prestes a fazer 10, era assim, ainda muito criança e ingênuo. Naquele tempo, as famílias não costumavam ter refrigerantes em suas casas, isso só acontecia em dias de festa. E os meus pais resolveram fazer uma festa para meu irmão, e como vinha muita gente, compraram muito refrigerante. 
Na época, havia apenas, crush, coca-cola, guaraná e o meu preferido, soda limonada. A casa encheu e a festa corria solta, desta forma a minha mãe, que era muito rígida, principalmente comigo que era muito peralta, não conseguia me monitorar, e eu estava livre, leve e solto.

Ela havia falado para mim, que não tomasse muito refrigerante que era perigoso e fazia mal, essa história de mãe, mas que nada, sem ela de olho em mim, eu enchi a cara de soda.
Muito, bem, no dia seguinte, pela manhã, uma segunda-feira, ficamos sabendo de uma tragédia que havia acontecido a poucas casas da nossa. Uma vizinha, que havia enviuvado recentemente, deprimida, suicidou-se. Foi um burburim tremendo no bairro. A tarde, quando meu pai chegou do trabalho, minha mãe contou-lhe a nefasta novidade, e ela questionou minha mãe: " Mas como ela se matou?" minha mãe respondeu:" Tomou soda"!!!!! Soda cáustica, claro. Eu escutei, mas não sabia diferenciar as coisa. A hora que eu ouvi:" Tomou soda", cai no desespero e comecei chorar copiosamente. Meus pais não entenderam nada, afinal, não podia ser por causa do suicídio, e ao ver-me em prantos, meu pai perguntou por que daquilo? Eu respondi:" Porque eu vou morrer, ontem a mãe falou para eu tomar pouca soda e eu tomei um montão". Os dois caíram na risada, e ai fui eu que não entendi nada. Minha mãe, me abraçou, me beijou e me disse que não era aquela soda, que aquela não matava ninguém, que era outro tipo de soda. Mas, assim que eu me acalmei, tomei um belo puxão de orelhas por tê-la desobedecido. 
Mas nestas alturas do campeonato, até que o puxão de orelhas foi um lucro, não é mesmo?

Por Marcos Aurélio Loureiro

segunda-feira, 19 de março de 2018

A Era do gelo



Até hoje, ainda me pergunto o porquê de tanto mistério.
Ora bolas, as coisas andam, desandam, mas sempre vamos progredindo.
Seu João, dono da mercearia falou à pequena plateia que se amontoava na calçada: 
- Vai nos trazer muito conforto!
A pequena multidão de vizinhos  abaixou a cabeça, como se tivessem ouvido uma profecia.
Silêncio se fez. Só por segundos e logo todo mundo palpitava.
Um chato decretou o fim do diz que diz:
- Mas isso é um desrespeito, deixarem na calçada! Onde já se viu?!
Seu João, português forte, apesar dos anos entrados em não sei quantos “enta”. Bem disposto, convidou a plebe reunida ali, com a garantia, a chance dourada, de experimentar e depois se falava disso ou daquilo.
Foi um abrir e fechar de portas que não dava sossego! Teve até alguém que gritou agoniado:
- Desse jeito a gente adoece!
Mas ninguém registrou nada. Nem o Seu João. Todos alvoroçados numa espécie e frenesi.
As crianças, como sempre, acharam um bom uso da ocasião.
Maravilhadas, todas as crianças foram vasculhando, como detetives os destroços do grande pacote, que logo foi destrinchado e esquecido.
O que mais  intrigou, a nós, as crianças, foi o dia seguinte.
Meu pai levantava-se cedo, para ir trabalhar.
Nessa manhã fui até o portão, vendo-o subir a rua para pegar condução na Primeira Seção, assim era conhecida, a hoje Praça da Árvore.
Mas logo, de repente, minha cabeça acelerou!  Outro embrulho?! O que será?
Era um tipo de super tijolo grande no tamanho, retangular na forma.  Embrulhado em tecido, que anos mais tarde, descobri ser estopa.
Corri para casa. Alguém mais teria visto o segundo pacote?
Voltei novamente, percorrendo o longo corredor da vila onde eu morava, abri o portão e...     Lá estava “ele”! O embrulho!
Só que algo mais também.
A calçada molhada e serragem, pó grosso de madeira, caída como farofa grossa avermelhada pelo chão...
Também fui lá com a lupa da curiosidade! E descobri no seu interior, um grande bloco de gelo, lindo, com mil raiados enfeitando aquele corpo gélido!
Seu João, como sempre, chegou e já foi fazendo boca de trombone:
- Quem mexeu aqui?... – Crianças.  Só pode ser. Xeretas, etc, etc...
Deste dia em diante, todos podiam comprar Guaraná Paulistinha (garrafa verde, rótulo preto e branco em risquinhos), bem gelado!
A geladeira funcionava perfeitamente!
Movida? Melhor dizendo, gelada à gelo!
E foi assim, uma  grande vez, lá nos anos cinquenta e poucos, foi descoberta a geladeira no bairro do Bosque da Saúde.

Por Márcia Becker Saidenberg

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Tragédia do Cine Oberdan


E aí, o Facebook me fez lembrar do Cine Oberdan da minha infância.

O prédio ainda está lá na Rua Ministro Firmino Whitaker esquina com a rua Sayão Lobato, onde hoje está a matriz das lojas Zelo.

Uma bela construção que já foi teatro de luxo. Escadarias de mármore, fachada imponente, plateia, com frisas e camarotes, balcão também com camarotes e a galeria. Lá se apresentavam grandes companhias de teatro do início do século XX. Isto tudo quem me contava era meu pai amante do teatro e da ópera. Apenas para lembrar, havia também o Teatro Colombo, que ficava no Largo da Concórdia, por onde passaram também os grandes do teatro brasileiro e foi lá a última apresentação de Francisco Alves.

Bem, voltando ao Cine Oberdan. Numa matinê de domingo, o cinema cheio de crianças e o filme era “Criminosos do Ar”. Em dado momento, numa cena de desastre ou algo parecido, alguma criança na plateia gritou “Fogo!” e isso foi o suficiente para que começasse a correria para fugir da sala enorme e lotada.

Naquela época, não se pensava muito em segurança e as saídas não eram suficientemente largas para que a criançada escapasse daquela armadilha, correndo desesperada e em pânico. Conclusão: muitas caíram atropeladas na correria, outras se jogavam escada abaixo tentando escapar do “fogo”, muitas morreram; foram trinta crianças e apenas uma mulher que, para proteger a filha com o corpo, morreu. Era um bebê que sobreviveu.

E o Cine Oberdan também sobreviveu e depois da tragédia e do luto, reabriu e ficou em atividade até o início dos anos 1960. Não era cinema de nenhuma rede, portanto, os filmes que passavam lá, já tinham passado em outros cinemas há muito tempo, mas tinha algo que os outros do bairro não tinham: a fita em série. E eu me lembro muito bem de O Falcão do Deserto cujo último capítulo eu não assisti.

Para mim, isso foi uma tragédia.


Por Teresa Fiore

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Uma tarde no Tatuapé

Imagem: Largo Nossa Senhora do Bom Parto - Tatuapé

Alguns dias atrás fui levar minha mulher na cabeleireira (“Hair Stylist”, que é mais “chique”), que fica no Tatuapé.  Para mim, que moro no Butantã, foi uma viagem de turismo.
Deixei-a lá e perguntei em quantas horas deveria voltar para buscá-la.
 – Umas 2 horas, respondeu. 
Como a percepção masculina e feminina de tempo são naturalmente diferentes, calculei que em 3 horas ela estaria pronta.
Saí então, a pé, pelas redondezas da Euclides Pacheco. Auxiliado pelo “Google Maps” descobri que a umas 6 ou 7 quadras dali havia uma pracinha (o Largo N. Sra. do Bom Parto) onde poderia sentar e terminar de ler “A Amiga Genial”.
E lá fui eu, curtindo a tranquilidade (quase) interiorana da Rua da Saudade, da Guatacaba, da Dona Cândida, até chegar ao Largo. Só essa denominação, “Largo”, já dá idéia de um lugar aprazível, diferente de “Praça”, que remete a comércio, agitação, correria...
Dei uma volta, passando por uma EMEI, com a típica gritaria da criançada que saia para algum passeio de ônibus, quando fui atraído pelo cheirinho de pêssegos, abacaxis e mangas, que exalava de uma multicolorida banca de frutas, ao lado, que perfumava até a calçada.
Pedi um suco de graviola e fui sentar mais adiante, sob as enormes árvores, aonde já se encontravam vários “colegas” da 3ª. idade, aproveitando a sombra naquela tarde ensolarada e calorosa para “compadrear” e jogar damas e dominó.
Mal tinha tomado meu suco (e jogado o copinho numa das várias lixeiras, pois o Largo é bem limpo e cuidado) e retomado a leitura, quando ouvi, atrás de mim, uma conversa entre dois ou três “parceiros”:  um deles explicava que um filhote de sabiá havia caído do ninho, e estava preso a uns galhos, logo abaixo, mas ainda assim muito no alto, e sob o olhar preocupado da mãe.
 – Se deixar ali ele pode cair e se esborrachar no chão, dizia um.
 – Ou anoitecendo, pode vir um gato e aproveitar para jantar, dizia outro.
E assim seguia a conversa, avaliando as possíveis consequências de deixar o filhote aonde estava, ou da conveniência de tirá-lo de lá.
Tudo isso enquanto as pessoas passavam para ir ao banco, ou à sorveteria artesanal, em frente ao Largo.
A conversa acabou se tornando momentaneamente mais interessante do que o capítulo do livro e, lógico, a minha curiosidade sobre o desenrolar da epopeia tornou-se irresistível.
Tanto discutiram que chegaram à conclusão que deveriam tirar o filhote de lá e deixá-lo numa caixa (esse foi outro ítem da discussão), num galho que possibilitasse à mãe sabiá exercer sua vigilância “anti-gatos” mais de perto.
Decisão tomada, um foi buscar uma escada, outro a caixa (devidamente forrada com algodão e algumas folhas secas apanhadas do chão), e iniciou-se o processo de “salvamento”, que atraiu mais 5 ou 6 “parceiros”, que deixaram as damas e os dominós para “palpitar” sobre as melhores técnicas para subir na árvore e mexer com o bichinho, o que durou mais uns 20 minutos.
Salvo o sabiá, todos um pouco mais felizes (principalmente eu), retornei para buscar minha mulher, certo de que havia presenciado uma raridade nesta metrópole de correria, stress, “hair salons”, mas que ainda tem lugares aonde as pessoas curtem a tarde com os amigos, debaixo das árvores de um Largo com ares interioranos, jogando damas ou salvando passarinhos...
PS – cheguei ao salão depois de 3 horas e pouco, e esperei só mais 15 minutos pela minha mulher.


Por Wilson Colocero

sábado, 6 de janeiro de 2018

Creme rinse


Numa conversa com uma amiga de Facebook, me fez lembrar de uma passagem engraçada sobre de minha infância sobre um  produto que ela estava postando, recordando. 
O sabão Rinso. Minha irmã mais velha (a que faleceu há um mês) e eu, Tínhamos cabelos compridos e o meu, particularmente, era cacheado e volumoso... 
Ouvíamos falar de uma novidade para desembaraçar os cabelos quando lavar, um tal creme rinse. 
Nós não conhecíamos o tal creme e quando alguém falava das maravilhas que o produto fazia, minha irmã e eu associamos ao Rinso (sabão em pó). Lá em nossa casa, na Rua Umuarama, na Vila Prudente, minha mãe usava este sabão... Pegamos, sorrateiramente, um punhado e lá fomos nós lavar nossos cabelos.

Ficamos horas para tirar a espuma toda que fez e os cabelos ficaram embaraçados, parecendo palha de aço... Mas ficaram limpinhos!
Levamos a maior bronca de minha mãe, que nos colocou de castigo pela arte.
Muita paz! 

Por Sonia Astrauskas

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

imagem: Teatro Cultura Artísitica - 1965
O ano preciso não sei, mas foi entre 1965 e 1966 quando eu ainda estava buscando um lugar ao sol na TV e fazia diversas figurações na TV Excelsior (precursora da TV Globo) Canal 9, no espaço do antigo Teatro Cultura Artística na Rua Nestor Pestana.
Um dia, o coordenador dos figurantes me chamou e disse que eu deveria ir à casa de ensaios na Rua da Consolação, pois estava escalado para o Teatro da Tarde.
Sem saber o que me caberia fazer, porém alegre por mais uma escalação, me dirigi à referida casa que se localizava quase em frente ao antigo prédio do Cine Odeon. La chegando busquei informações com relação à sala onde estava sendo ensaiado o programa. De posse da informação me apresentei no local e assim que abri a porta da sala senti um tremor por todo o corpo.
Emoção total. Na minha frente estavam alguns atores escalados e, pasmem, dois monstros sagrados das artes cênicas do Brasil, Dionísio Azevedo e Mauro Mendonça.
Segurei as pernas um tanto bambas e avancei dizendo que tinha sido enviado pelo Pirolé para fazer figuração no programa. O diretor (não lembro quem era) me pediu para aguardar enquanto o ensaio se desenrolava e depois falaria comigo.
Encostei-me à parede e aguardei. Ensaio findo, o referido diretor me disse que eu iria fazer uma figuração como guarda e que quando o delegado (Dionísio Azevedo) me chamasse eu deveria me aproximar da mesa dele e dizer “pronto”.
Perguntou se eu tinha entendido, eu assenti e ele me mandou aguardar por ali mesmo para ir, depois, com todo o elenco para o Teatro aonde o programa iria para o ar (na época, era ao vivo, nada de VT).
Enquanto aguardava a brincadeira entre os atores corria à solta, e eu, na minha insignificância, apenas apreciava.
A certa altura o Dionísio avisou a todos que precisava dar uma pequena saída e iria, depois, diretamente para o estúdio. Os demais continuaram por ali e, de repente, sem mais nem menos, o Mauro Mendonça me chamou e disse: “-Vamos aprontar uma brincadeira com o Dionísio, quando ele te chamar em cena, sua fala será, - Pronto Dr. Taufik. Recomendou ainda, se ele te responder estupidamente não leve em consideração. Deixa que eu me encarrego das explicações.” Concordei e calado continuei.
Toca a campainha, silêncio no estúdio, abre-se a câmara e começa a encenação.
Estava embevecido vendo o de desempenho dos meus ídolos que quase perco a deixa. Não perdi e entrei na cena falando em alto e bom som Pronto Dr. Taufik.
Mesmo maquiado percebi que o rosto do Dionísio ficou vermelho, me pareceu que estava doido para me xingar, mas não perdeu a classe, continuou a cena.
Percebi que atrás das câmaras o Mauro Mendonça se contorcia de tanto rir. Eu estava assustado, mas continuei firme e forte até minha saída de cena.
Terminado o programa o Dionísio veio em minha direção dizendo “–Quem te mandou falar daquele jeito seu...” tremi mais ainda. Então o Mauro Mendonça veio gargalhando e disse - Fui eu. Ele apenas obedeceu.
Gargalhadas gerais, apenas eu não conseguia rir, nem mesmo quando me explicaram que Taufik era o verdadeiro nome do Dionísio e que ele nunca gostou de propagar esse nome.
Mais uma vez entendi que como reza o ditado: Manda quem pode, obedece quem tem juízo...
Eu obedeci.


Por Miguel Chammas

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Memórias de um passeio



Há alguns anos, escrevi um texto relatando uma de muitas aventuras circenses. Mês passado eu e a Soninha resolvemos passar um domingo diferente. Estávamos sós, pois os jovens, aproveitando o feriadão, haviam viajado.
Não tínhamos qualquer compromisso antes das 19h00m quando iriamos encontrar a Nathalia no terminal Barra Funda, onde estaria retornando de seu passeio.
Resolvemos, então, nos dirigir para o centrão de Sampa, mais precisamente Largo Paissandu, e visitarmos a Galeria Olido em sua nova fase.
Saímos de São Bernardo do Campo por volta de 11 horas e fomos à busca de um estacionamento próximo do nosso objetivo, estacionamos na Avenida São João no local onde antigamente ficava o Cine Ritz São João, como tínhamos tempo suficiente, decidimos, antes, passar no Ponto Chic e mastigar alguma coisa, mas, para nossa surpresa o estabelecimento estava fechado. Será que não trabalha mais aos finais de semana ou foi efetivamente desativado? Não sei dizer!
Bem sem outra opção e sabendo que a Galeria só abria a partir das 13 horas, Começamos a subir a Avenida São João rumo à Praça da Republica, em busca de um local aceitável para almoçar. Decepção pura, o quarteirão da São João entre a Dom Jose de Barros e a Ipiranga, da mesma forma que o Largo Paissandu estavam detonados, sujeira por toda a parte, moradores de rua adormecidos por todas as calçadas, os prédios que compunha a Cinelândia Paulista em plena deterioração.
Cada passo que dávamos era uma nova facada em nossos corações. Concluímos que nossa Sampa não merecia este total desprestígio dos políticos e/ou gestores que sentaram e sentam na cadeira e cargo de Prefeito da maior cidade do Brasil.
Não tínhamos nem a opção de fechar os olhos para não ver a cena que se abria à nossa frente, seria por demais perigoso. Seguimos, pois nosso caminho em busca do almejado Restaurante.
Caminhamos pela Avenida Ipiranga, Praça da Republica, Rua Vieira de Carvalho que outrora eram coalhadas de bons restaurantes e.... nada!
Decidi, mesmo sabendo que teríamos um custo além do pretendido, buscar abrigo na velha casa de pasta de minha mocidade, o “Restaurante O Gato que ri” que ainda está no seu velho endereço do Largo do Arouche. Lá chegando pude constatar que era, ainda, um local de extrema qualidade e cortesia. Que servia alimentação de primeiríssima qualidade, mesmo que a preços bem mais impopulares do que antigamente.
Sentamo-nos e degustamos (pratos bem servidos, mas em porções unitárias) um agnelote à moda e uma lasanha ao forno, uma bela jarra de vinho, e doces de sobremesa. Paguei a conta (Ufa!) voltamos pelos mesmos caminhos que até lá nos levaram, tentei, ainda, fugir das cenas mais degradantes e enveredei pela Rua 24 de Maio, mas debalde, percebi que a deterioração era uma constante em todos os locais.
Enfim, chegamos à Galeria Olido, objeto de nosso passeio.
Começamos nossa expedição e de imediato entramos numa exposição de artes circenses. O sangue que corre em minhas veias tem muita serragem dos picadeiros e, imediatamente começou a ferver, tinha algum conteúdo teórico nas paredes e eu comecei a ficar preocupado. Queria mais e, insatisfeito, perguntei à recepcionista se havia mais alguma coisa para ser vista ela, muito simpática, explicou que no primeiro andar estavam as melhores memorias dos circos.
Fomos para o primeiro andar. Um espaço muito maior e bem utilizado. De frente à escada de acesso as primeiras emoções, as maquetes de dois circos se escancaram à nossa frente, a primeira de um circo fictício, mas a segunda cutucou, de verdade, as minhas recordações. Ali estava, em toda a sua plenitude, o famoso Circo Garcia tantas memorias e objeto primeiro desta crônica.
Muitas lembranças maravilhosas foram surgindo à nossa frente, estórias de vida dos palhaços mais famosos (tirei, inclusive, uma foto ao lado do meu ídolo PIOLIM), espaço para que fosse experimentada a emoção de atravessar, sem qualquer risco, o Largo Paissandu utilizando uma corda. A Sonia adorou a ideia e tirou várias fotos.
A estória e pertences de antigos palhaços foi sendo apresentada e curtida com muita emoção. Enfim, estava validada a nossa incursão. No andar superior outra exposição serviu para que a Soninha extravasasse suas peraltices e tirasse várias fotos no espaço com o piso coberto com papelão e onde o uso do sapato era proibido. Novamente a Soninha adorou a proposta “deitando, rolando e fotografando” nesse espaço.
Saímos do museu e continuamos o passeio. O cinema não pudemos visitar, uma sessão estava em andamento e a próxima sessão, por culpa do horário, não nos seria possível esperar.   
Fomos, então, xeretear no espaço “vitrine da dança” e vimos um local de muito som (exasperadamente monótono e repetitivo) onde pessoas se retorciam ao ritmo do hip hop. É um espaço livre, que considerei bastante democrático, mesmo não me agradando o tipo de som executado. Como sou oriundo dos velhos salões de baile, me agradou muito a performance de vários habitues do espaço. Em ultima análise, gostei do que vi por ali, mas dificilmente voltaria ao local.
Bem, terminamos o passeio e fomos ao alcance de nosso carro. Passeio bastante agradável.
Cheguei até aqui e percebi que o motivo que havia me levado a escrever sequer foi descrito, provando, mais uma vez, que o rabiscador não tem o domínio do que rabisca, os dedos são determinantes ao digitar o teclado. Não faz mal, prometo que escreverei sobre o tema principal no próximo rabisco.
Ate lá então...

Por Miguel Chammas


segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

A estadia cardinalícia.



Toda manhã, quando vou para a vidraça, a primeira coisa que se vê é o capuchinho vermelho de Sua Eminência, assentado numa cadeira ou na mesa de jardim.

É o primeiro da fila para ganhar quirera, que distribuo em seguida. Enquanto as rolinhas ficam se perseguindo, e agitando os leques das asas para afastar as outras, o Cardeal permanece indiferente a elas, na sua postura majestática. Surge como se fosse o Papa, na Praça do Vaticano. Certamente fugido de alguma gaiola, destaca-se por suas cores da multidão plebeia.

E faz mais de uma visita diária ao nosso jardinzinho de nossa casa no Brooklin. Por algum motivo, desde que apareceu, dedicou sua afeição a esta casa, e deve ter feito ninho aqui perto. Uma vez, até chegou a adentrar nossa sala, ficando nos altos da vidraça, sem saber sair. Meu filho apanhou-o gentilmente, conferiu sua aparência e soltou-o.

No dia seguinte estava de volta, em nada afetado pelo incidente. Espero mesmo que tenha gostado de seus aposentos e que nos dê, para sempre, a honra de sua ilustre visita, distribuindo bênçãos a todos nós, que estamos sempre necessitados.


Por Luiz Saidenberg

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Palavras de Modesto Laruccia

https://youtu.be/GLyHoxgTQtc 

imagens lembranças dos momentos do encontro, usando um aplicativo teste, pois não existe miais o movie maker. Muita paz! 

Prezados amigos:

Na plenitude de nossa condições, relativas à nossa idade, quero descrever um sentimento sem obliterar a realidade presente em nossas vidas. 
Sabemos todos que os anos que desfrutamos em nossa atividades como colaboradores do msite São Paulo Minha Cidade – SPMC – há mais de 10 anos, tivemos um encontro não marcado, ao desfrutarmos dos textos de cada um de nós, na expectativa de semre conhecer diferentes perfis e ocorrências.
Amalgamados em nossas atividades, sentimos que, em cada texto apresentado, dávamos um passo a mais em nosso caminho cujo destino era – e ainda é – conhecermo-nos pessoalmente. Nas rodadas anteriores, com raras exceções, pudemos, paulatinamente, ter este prazer realizado, chegando ao ápice de  de termos conhecimento de intimidades, sempre dentro da mais restrita obediência às normas dos bons relacionamentos. 
Porém, quis o destino, implacável nas mãos de desinteressados, interromper essa primorosa, despretensiosa, agradável e encantadora lúdica espiritual, para dultos.
Amigos, essa reunião não foi organizada para queixumes e lamentos, mas sim, para um grande abraço e, voltados cada um de nós, a satisfação de nos vermos mais uma vez, lamentando os ausentes e sem desmerecer os presentes.
Feliz Natal e Próspero Ano Novo de 2018.

Por Modesto Laruccia

sábado, 18 de novembro de 2017

A visita de Sua Eminência


Somos pessoas modestas, não se importando muito com a pompa e a circunstância. Também nunca fui muito chegado a religiões, portanto muito me surpreendeu- e a todos nós- a visita de Sua Eminência ao nosso jardim, de nossa casa no Brooklin.

Um Cardeal, a cabecinha vermelha contrastando com o branco do corpo e o escuro das asas. Estamos acostumados com a visita diária de pássaros. Como deixamos sempre uma tigela de frutas suspensa no ipê, e uma travessa de quirera no chão para as rolinhas, temos sempre um festival matinal de aves disputando a comida. Cambacicas, sabiás- agora mesmo apareceu uma mãe sabiá com dois filhotes-sanhaços, bentevís, rolinhas, periquitos em grande número.

Uma vez apareceu até um canário belga. Escrevi sobre ele. Mansinho, fugido de alguma gaiola, deixou-se apanhar e soltou por dias seu deslumbrante trinado pela casa toda, antes que o doássemos para uma instituição protetora.

Nosso Cardeal- acho que já posso chamá-lo assim, pois há dois dias que nos dá a honra de sua augusta  presença no jardim, disputando pacificamente a comida com os outros pássaros- também parece ter fugido de gaiola, pois nunca havia visto um neste bairro, pródigo em espécimes voadores, incluindo joãos de barro, pica paus e outros. Mas de bobo nada tem, e tem se virado muito bem sozinho.


Pois que seja abençoada- e que ele também possa nos abençoar, com sua autoridade clerical- sua estadia nesta casa, à qual parece ter se afeiçoado. Como o sabiá Plínio, o Jovem-pois era só um filhote grudado às penas da mãe, quando apareceu aqui pela primeira vez, e creio, nunca deixou de frequentar nosso ipê. Olhai as aves do céu, que não plantam nem colhem, mas com sua presença vêm trazer um pouco mais de alegria e esperança em nossas vidas.

Por Luiz Saidenberg

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Pra ver a banda passar

Imagem: carnaval da Av. Tiradentes, antes do Sambódromo

Não sou de Carnaval. Fora os bailes da infância, a que íamos levados pelos pais, em clubes locais, regados a lança perfume, confete e serpentina, fora o desfile que víamos da sacada do Clube Cultura Artística, em Campinas, com bumba meu bois e fanfarra, a folia coletiva nunca me entusiasmou.
Fora os dois anos que passamos no Rio de Janeiro, - e ali não se pode escapar aos ritos de Momo- dos grandes desfiles de blocos não oficiais na Av. Rio Branco até um humilde bando de moradores descendo, com bateria e muita ginga a R. Jardim Botânico, um senhor já idoso sem camisa e sacudindo a pança num ritmo insensato, totalmente fora deste também pouco sensato mundo. Depara-se com a folia a cada esquina. Pura, espontânea, pouco tendo a ver com os milionários desfiles globelezais da Marquês de Sapucaí.
Mas, como disse, não entendo esta louca alegria generalizada , a multidão desvairada. Minhas alegrias e paixões, embora intensas, relacionam-se muito mais com experiências pessoais, mais íntimas.
Nos anos em que tivemos casa no litoral, íamos para lá, sem nada ver ou ouvir de Carnaval, e voltávamos após a folia acabada. Nada de desfiles de grandes escolas, siliconadas cabrochas de destaque, porta estandartes e mestres salas. Até hoje é assim, e o famoso Carnaval apenas uma ilusão estranha e distante. Costumava dizer que, para mim, Carnaval é todo dia. A festa iniciando-se toda manhã e só extinguindo-se à noite.
Agora, nem mais ao litoral vamos; multidões de carros descendo a serra, sujeitos a arrastões e horas de congestionamento, para encontrar lá embaixo a continuação desse tumulto insano. O mesmo aconteceu este ano. Enquanto a farra explodia nos sambódromos, ficamos por aqui mesmo, em São Paulo, recolhidos, fazendo nossos passeios pelo bosque vizinho, vendo um bom filme à tarde.
Foi então que a banda passou. Pelo bairro calmo, em parte deserto pela ausência dos moradores viajantes, na tarde do sábado. Estridente, alegre, mas podia-se adivinhar que modesta, humilde, simples, inocente em suas raízes.
A alegria espontânea, como nos velhos tempos. Saí do sossego do lar para conferir. Na rua de trás, umas poucas dezenas de pessoas, todas locais, mães com crianças, alguns fantasiados modestamente, um ou outro mascarado, e a bandinha, a “furiosa”, como já se disse, tocando furiosamente. Um dos foliões ostentando um estandarte verde, no qual se lia Brooklyn.
Em plena rua, toda coberta de confete e serpentina, surpreendendo com sua alegria os poucos motoristas que passavam. E aí sim, as emoções que não senti nos Carnavais passados reclamaram sua quota. Uma banda passando.
No bairro tranquilo, na rua deserta, na tarde morta, com nuvens ameaçadoras de chuva como pano de fundo. Não era alucinação: eu vi mesmo a banda passar, tocando coisas de amor. Nem tudo está perdido, neste mundo.


Por Luiz Saidenberg

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Hoje completo bodas de prata

O texto foi escrito em 23/10/2017

Tal qual o dia de hoje, era 23 de outubro.

ACORDEI  MAIS CEDO DO QUE O NECESSÁRIO, tamanha ansiedade. Era o primeiro dia do meu primeiro emprego.
Cheguei quase uma hora antes do horário de entrada e fiquei por ali, nos jardins do Parque São Jorge, sede do Sport Club Corinthians Paulista.
Este foi o início de uma história que hoje completa 25 anos. Pensei sobre o que escrever para expressar algum sentimento relacionado a uma data marcante como esta, pensei em contar detalhes apenas deste primeiro dia começando pela rotina matinal que teve início ali com a minha Mãe, preparando o café da manhã, fazendo companhia enquanto me preparava para sair de casa e assistindo um quadro no telejornal sobre flores. Eu gostava de acompanhar com ela este quadro, mesmo não entendendo absolutamente nada sobre as flores. Achei interessante perceber que, neste aspecto as coisas ainda continuam como antes, o quadro no telejornal ainda existe e eu continuo não entendendo nada de flores. 
Ah..., minha mãe não prepara mais o meu café, mas é só um detalhe, pois tenho isso presente comigo da mesma maneira.
Também pensei em detalhar a experiência de um jovem de 18 anos que acabara de passar pela dificuldade tradicional (não sei se isso ainda ocorre hoje) da escassez de oferta de trabalho para os jovens em período de alistamento militar, e que encontrou uma oportunidade, mas precisaria fazer um sacrifício, e fez.
O sacrifício que menciono foi o fato de que, para ter este primeiro emprego eu precisaria abrir mão de algo valioso para todos, que é o tempo. Eu aceitei uma jornada de trabalho de terça até domingo em horário comercial, com folgas somente às segundas.
Alguém sabe como é para um jovem desta idade, deixar de acompanhar sua família, sua galera em vários momentos nos finais de semana, por conta do trabalho? Eu sei.
Este primeiro emprego durou aproximadamente 14 anos então, imaginem quantas histórias eu tenho para contar, incluindo a experiência sem igual que foi dividir 12 destes 14 anos com meu Pai. 
Isso mesmo, fomos colegas de trabalho. Eu nem vou tentar dizer nada sobre isso, pois não vou encontrar palavras. Agradeço por um destino que me reservou 12 anos nesta experiência.
Tal qual, com relação a minha Mãe, as experiências com meu Pai não mais se repetem na forma, mas todas continuam presentes comigo da mesma maneira.
Foram 14 anos no Sport Club Corinthians Paulista, tantas vivências e tantas pessoas. Carrego tudo comigo com uma riqueza de detalhes que surpreenderia, caso colocasse isso em um texto. Não vou citar nomes, pois não quero deixar de mencionar ninguém, mas sei que todos se reconhecerão aqui.

Dali, segui para outras valiosas experiências, convivendo com diversas pessoas e circunstâncias que me trouxeram até o dia de hoje, 25 anos após o início de minha vida profissional.
Ninguém me fez essa pergunta, mas se algum jovem me perguntasse qual minha sugestão para quem está no início de uma trajetória profissional eu recomendaria apenas três coisas:
- RESPEITE-SE,

- IDENTIFIQUE O PROPÓSITO EM SUA VIDA, e 
- REALIZE.

De tudo que poderia mencionar sobre o que sinto ao completar esta estrada o que mais se destaca e chama a minha atenção não está necessariamente neste longo passado, mas está no futuro.
Tenho hoje a sensação de que estou começando uma história, e isso me deixa muito feliz, pois não penso que estou completando 25 anos de uma experiência que vai durar mais alguns, eu penso que estou iniciando exatamente agora uma trajetória que vai durar o tempo que for, mas será escrita por alguém que não tem os mesmos 18 anos, mas tem o mesmo entusiasmo daquele jovem que ACORDOU MAIS CEDO DO QUE O NECESSÁRIO, em 23 de outubro de 1992.
Obrigado pelo seu tempo.

Por Alex Brito