sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Cheiro de Natal

Vejo o Natal com muita alegria e encantamento. É uma data que tem o poder de transformar as pessoas, tornando-as mais afáveis. Todos com um só objetivo. Enfeitar a casa com luzes, montar uma linda árvore, sem esquecer-se do presépio em homenagem ao menino Jesus, comprar presentes e preparar uma bela ceia ou almoço, para receber parentes e amigos.
Lá em casa não era diferente. Enfeitávamos tudo, com árvore, presépio, que ficavam montados até o dia de Reis.
Certa vez um dos meus irmãos, resolveu montar uma árvore de natal giratória. Infelizmente ele não conseguiu, além de quase colocarfogo na casa. Até hoje brincamos com ele sobre isso.
Lembro-me que comemorávamos o Natal com um grande almoço no dia 25. Na véspera, íamos todos à Missa do Galo, junto com a maioria dos vizinhos. Voltávamos felizes pela madrugada, com a sensação do dever cumprido. Depois era só dormir e acordar com o tradicional presente ao pé da cama.
Engraçado que, hoje, não se ouve mais falar em Missa do Galo. Me parece que são realizadas mais cedo, por conta do perigo aos fiéis, que ficariam expostos às maldades alheias, pois teriam que circular
pela madrugada, principalmente nos grandes centros.
Mas, a lembrança e a saudade que mais gosto de ter é o cheiro do Natal. Minha mãe, desde cedo, bem cedinho mesmo, já estava na cozinha lidando com os assados. O primeiro a ir ao forno, era um pernil de 5 quilos, depois os frangos. Também tinha carne de panela, um bacalhau especial com vinho branco, tortas, bracciollas com molho e o tradicional bolo de nozes. Toda essa mistura de temperos produzia uma verdadeira alquimia de aromas, que perfumavam a casa, deixando-a com
um cheiro de Natal delicioso.
Hoje, apesar de todas as facilidades, de poder encomendar uma ceia, ou prepará-la com antecedência, usando o congelamento, prefiro fazer meus assados no dia da ceia, para manter a saudade e aquele inconfundível cheiro de Natal.

Amigos, desejo a todos, um Natal iluminado, um Papai Noel próspero e um Ano Novo com muita paz e saúde.

Por Bernadete Pedroso

9 comentários:

Luiz Saidenberg disse...

Você conta, e muito bem contado, de Natais realmente fartos e bonitos. Até parecem trechos do conto de Dickens, com tanta exuberância de gostos e odores deliciosos. Esse é o nosso ideal de Natal familiar, o Natal de nossos sonhos. Que bom que pôde participar de tais eventos!
Como diz o escritor, mudaram os Natais, e nós tb. Mas, com amor e dedicação, ainda podemos reviver, de maneira discreta, algo desse esplendor de tempos mais amenos.
Feliz Natal para vc e os seus, cara amiga!

Miguel S. G. Chammas disse...

Lindas lembranças Bernadete. Os Natais das alegrias de outrora, junto com todos os entes queridos que hoje não mais estão entre nos.
Com respeito à Missa do Galo, acho que deram a ele todas as folgas permitidas por Lei.
Nada de trabalho demais e horas extras custosas.
Bom Natal amiga, junto com os teus e com o coração em Deus.

Modesto disse...

O mesmo pra vc, Bernadete e que os Natais que virão sejam sempre alegres e felizes.
Modesto

Zeca disse...

Bernadete,

você lembrou muito bem: os cheiros do Natal! É incrível como existe mesmo um cheiro característico que se espalha pela casa, quando estão em preparação os múltiplos pratos para a ceia, ou o almoço do dia 25! E também explicou claramente o por quê desse cheiro característico, que se consegue pela multiplicidade de temperos utilizados, bem como pela multiplicidade de delícias que serão servidas.

Além do cheiro, os sons, a alegria que toma conta das pessoas, a chegada e saída de parentes e amigos, alguns com presentes, outros com pratos. Juntando-se tudo isso às luzes e aos enfeites, às árvores e aos presépios, forma-se o quadro perfeito: é Natal e nenhuma outra data importante terá aquele mesmo clima, aquela mesma alegria, aqueles cheiros.

Sei que não é assim para todos. E isso é lamentável! Mas estamos falando dos nossos Natais e assim é que foram e, quase sempre continuam sendo. Inclusive quando podemos amenizar os sofrimentos de alguma(s) pessoa(s), esse gesto aumenta ainda mais o nosso bem estar.

Feliz Natal para você e para todos os seus!

Abraço.

Soninha disse...

Olá, Bernadete!

Doces recordações e que os fazem voltar aos bons tempos da infância querida...
Ainda sinto os cheiros, assim como você descreveu.
A ida à missa do galo era obrigatória também e, para nós, era uma farra pois podíamos voltar para casa de madrugada, junto com nossos pais ou com os vizinhos e era muito legal esta possibilidade.
Poxa, que bacana, Bernadete!
Adorei!
Obrigada.
Muita paz! Feliz Natal!

Wilsonnatale disse...

Bernardete,
Congeladossão ótimos.Facilitam a nossa vida.
Porém, um Natal só é Natal quando se cumpre o ritual. E nesse ritual estão os tempêros,as carnes "marenando" de um dia para o outro; os assados perfumando o ar. Cheiros e aromas dos velhos natais. Até a simples carne de panela sabia a aromas celestiais nesse dia. Na Mooca se difundia pelos ares o cheiro do molhos para as pastas,cheiros de lombinho e pernil... Ah! Saborosas lembranças
que me dixam faminto! Faminto, não de comidas. Faminto dos almoços dos velhos natais.
Um Natal Feliz e um Ano Novo com muita paz.
Abração,
Natale.

suely schraner disse...

Nossos sentidos todos os cheiros e o texto bem faceiro.Bacana, Bernardete!

suely schraner disse...

Nossos sentidos todos os cheiros e o texto bem faceiro.Bacana, Bernardete!

suely schraner disse...

Nossos sentidos todos os cheiros e o texto bem faceiro.Bacana, Bernardete!