sábado, 2 de abril de 2011

Coisas que gosto de fazer em São Paulo - parte I



 MERCADO MUNICIPAL – MERCADÃO

Para quem vive longe de São Paulo, coisas que podem passar batidas para os residentes, acabam se tornando sonhos de consumo, daqueles que se fazem com mais prazer, daqueles que se sente falta.
Quando visito a cidade, procuro sempre encontrar um tempinho para matar algumas dessas vontades. Assim, vou listar aqui, algumas dessas coisas, para que vocês tenham idéia do que sinto falta estando tão distante de nossa amada cidade.
A gastronomia em São Paulo é famosa no mundo inteiro, pois ali se encontra todo tipo de restaurante, todo tipo de comida e, nos mercados, supermercados, feiras livres e outros, todo tipo de ingredientes para o preparo das mais exóticas iguarias. Além do mais, para nos deliciarmos com qualquer tipo de comida, basta sabermos exatamente o que queremos e, não muito longe, poderemos saciar nosso desejo. Eu percebo bem essa fartura quando, aqui onde moro, resolvo preparar algum prato, mesmo não sendo tão exótico ou difícil, e não encontro alguns ingredientes que são comuns em qualquer lugar de São Paulo.
Não vou mencionar as muitas cantinas italianas com suas massas inigualáveis, e muito me
nos as deliciosas pizzas, que já se tornaram uma espécie de “marca registrada” da gastronomia paulistana. Não se encontram pizzas mais saborosas do que as que encontramos na cidade de São Paulo! E são muitas as pizzarias que as oferecem, para todos os gostos; massa mais fina, mais grossa, bordas recheadas, doces, exóticas, enfim; o que nos apetecer. Nem vou falar das minhas pizzarias prediletas, pois as pizzarias paulistanas existem em tamanha quantidade, que seria injusto destacar apenas algumas.
Então, deixando as pizzarias à escolha de cada um, que certamente acertará em cheio, vou falar sobre alguns passeios “gastronômicos, para mim imperdíveis em nossa cidade.
Um dos meus passeios prediletos é circular pelas bancas do Mercado Municipal, na Rua da Cantareira, ao lado da Avenida do Estado e me fartar, sem medo de ser feliz, com todas as delícias ali oferecidas. Os bolinhos e pastéis de bacalhau são deliciosos, mas os enormes sanduíches de mortadela do Mortadela Brasil ou do Bar do Mané são imperdíveis, enquanto os pastéis de todos os sabores podem ser divinos. De qualquer forma, seja qual for o gosto do “freguês”, com certeza ele encontrará ali delícias que o satisfarão sempre.
O Mercadão é tão popular que até já teve uma participação especial numa novela de muito sucesso da Rede Globo: A Próxima Vítima. O protagonista tinha lá uma barraca, a Barraca do Juca, onde vendia frutas e se passava parte da trama. O nome da barraca onde foram gravadas as cenas era 13 de maio, mas devido ao enorme sucesso da novela, os proprietários mudaram o nome para Barraca do Juca, que permanece até hoje.
O Mercadão, cujo belíssimo prédio foi projetado no início do século passado, pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, tinha como função principal abrigar os comerciantes que vendiam nas ruas, ao ar livre, os produtos que eram provenientes das chácaras existentes ao redor da cidade. Foi construído ao lado do Rio Tamanduateí para facilitar o recebimento dos produtos que vinham, em sua maioria, em barcos que traziam frutas, cereais, legumes, verduras, linguiças, frangos e até peixes, estes vindos de Santos.
Na época da inauguração, com seu pé-direito de mais de dez metros, formas elegantes e vitrais góticos vindos da Alemanha, acabou sendo considerado “majestoso demais” e acabou sendo rejeitado pela população que, apenas anos mais tarde, e muito lentamente, foi aceitando o novo mercado. Aos poucos foram sendo introduzidos outros produtos, como cestas e peneiras tecidas em taquara, potes e moringas de barro e, depois, outros produtos artesanais locais. Atualmente, novamente voltado basicamente para os produtos alimentícios, ali se comercializam produtos provenientes de todas as partes do mundo, com mais de trezentas bancas. Recebe, diariamente, mais de dez mil pessoas e de lá saem, todos os dias, mais de trezentas e cinquenta toneladas de alimento. Aos sábados esses números costumam dobrar.
Além de visitar o Mercadão para me deliciar com suas iguarias, não poderia sair de lá sem algumas delas, para consumo ou preparo em casa. Afinal, são produtos sempre frescos e de excelente qualidade. É um passeio que sempre vale a pena e do qual sempre volto um pouco mais feliz!

Por Zeca Paes Guedes

11 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Zeca, realmente o Mercadão é um ponto especialíssimo dentro de nossa megalópica cidade. Um passeio imperdível, mesmo que seja apenas para ver sua maravilhosa construção.

Wilsonnatale disse...

Zeca, que maldade! Como é que você faz isso! Deixar de avisar que esse não é um passeio para aqueles que estão em regime.
Sim, meu caro. Pois é impossível apenas passear, olhar, admirar aqueles pecados da gula sem provar dois ou três "pastér"; sem comer, pelo menos um daqueles sanduíches de "mortandela"; sem provar um queijinho aqui, uma provola ali; uns docinhos, umas compotas vindas de Minas... E, claro, todo o tipo de azeitonas e frutas exóticas.
Nada como admirar aquela estrutura e aqueles vitrais, "devorando" alguma coisinha para alegrar o estômago.
Na última vez que estive lá, "mandei ver" meia rapadura. Coisa que a tempos eu não comia (risos).
Abração,
Natale

MLopomo disse...

O mercadão é uma das coisas mais lindas da cidade de São Paulo. É um dos lugares recomendáveis e se levar um visitante que vem aqui pela primeira vez.Devemos nos lembrar do Box da família Chiappeta, do nosso inesquecível colega autor de muitas historias e que nos deu o prazer de uma visita no encontro das "redondas".

LAERTE CARMELLO disse...

ZECA, meus saudosos Pais já diziam que ir ao Mercadão é ser um "típico
paulistano da garoa". Estando por lá há dias, observei um grupo enorme de crianças escolares fazendo uma visita monitorada, as quais são agendadas para as 9 hs. de todas as 3as,4as e 5as. Para quem se preocupa com estacionamento difícil e grandes multidões, a dica é ir ao Mercadão aos domingos pela manhã; geralmente há mais lugares para estacionar e o local não fica tão cheio. Estando lá não perca o lendário sanduíche de mortadela Ceratti(o original é do do bar do Mané) bem como o pastel de bacalhau do Hocca bar. Leve dinheiro porque é muito grande a tentação de arrastar tudo o que se vê: queijos,
embutidos, frutas secas, azeites, pão italiano, temperos, frutas exóticas, tudo da melhor qualidade do mundo. Quem conhece o exterior
sempre afirma que não há no mundo
um Mercadão igual ao de Sampa.
Caro Zeca, este post é para dar água na boca e enchermos de orgulho de ser paulistanos. Valeu!

suely schraner disse...

Concordo com o Laerte: este post é de atiçar as "lombrigas". Muito bom mesmo. Abraços e parabéns.

Arthur Miranda - Tutu disse...

Quero me unir ao Natali em seu protesto, falar do mercadão e suas gostosuras, deixando a gente morrendo de fome com fartura,é mais que maldade,adoro essa "mortandela" mas gosto muito mais quando estou perto dela, e no momento estou aqui em Lorena. Quase afogado de tanta agua na boca, ai meus Deus que coisa louca.
Parabéns, e bom apetite. rsrsrsrs

Arthur Miranda - Tutu disse...

Quero me unir ao Natali em seu protesto, falar do mercadão e suas gostosuras, deixando a gente morrendo de fome com fartura,é mais que maldade,adoro essa "mortandela" mas gosto muito mais quando estou perto dela, e no momento estou aqui em Lorena. Quase afogado de tanta agua na boca, ai meus Deus que coisa louca.
Parabéns, e bom apetite. rsrsrsrs

Arthur Miranda - Tutu disse...

Quero me unir ao Natali em seu protesto, falar do mercadão e suas gostosuras, deixando a gente morrendo de fome com fartura,é mais que maldade,adoro essa "mortandela" mas gosto muito mais quando estou perto dela, e no momento estou aqui em Lorena. Quase afogado de tanta agua na boca, ai meus Deus que coisa louca.
Parabéns, e bom apetite. rsrsrsrs

Luiz Saidenberg disse...

Mercadão, o estômago d eSão Paulo, como o de Les Halles era para Paris, e é o de La Boqueria para Barcelona. Creio que não deve mesmo nada aos melhores do mundo, inclusive em beleza. O que atrapalha um pouco é sua limitada área de estacionamento, coisa que, numa zona pobre e antiga, não seria difícil de resolver pela prefeitura. Mas, no fim, sempre cabe mais um um. Belo artigo, Zeca. Abraços.

Laruccia disse...

Zeca, antes de cumprimenta-lo pelo belo passaio, quero agradecer-te pelas lembranças que me despertastes sobre o Mercadão. Respeito seu espaço, vou preperar um texto a respeito.
Sua descrição esbarra nos tratados publicados sobre viagens, destacando aquí e alí, os principais lugares visitados, com a diferença de temos uma narrativa bem limpa que aponta os principais detalhes do local específico.
Se vc me permite, Zeca, gostaria de dar um "pernachia"(com la boca, ehh...) pro Natale. Ir ao mercadão pra comprar uma RAPADURA!...
Texto enxuto, bem distribuido, adorei sua escrita, parabéns e desculpe a brincadeira, "anche pe te, Natale".
Laruccia

Soninha disse...

Olá, Zeca!

Meu pai do céu!
Eu adooooooooro o mercadão!
Para mim, é um passeio e tanto ir até lá...comprar,consumir,olhar,pesquisar...tudo!
O prédio do mercadão é fantástico... Sua arquitetura,uma das belezas de Sampa.
Me deu tanta vontade de saborar as iguarias que tem no mercadão...hummmm!
Ai, Zeca...malvado! Deixou a todos com água na boca.
Valeu, amigo!
Obrigada.
Muita paz!