segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Uma explosão de alegria

imagem acima: General Figueiredo, último general presidente do regime de exceção.
Ano: 1976, em plena vigência da revolução militar, reunião da SERPAC (Sociedade Amigos do Residencial Parque Continental), decide-se organizar um churrasco regado a um bom chopp, para alguns expoentes da política de São Paulo e de Osasco, a fim de angariar simpatias para nossas reivindicações junto à Urbanizadora Continental, que não são poucas. Estamos em pleno regime de exceção, a austeridade militar impõe comportamentos aviltantes e nossas expectativas, mesmo para aquelas de direitos adquiridos, têm que ter o aval oficial de algum membro da Assembléia Constituinte, de ambos os municípios.
Para tanto, a casa do secretário Modesto Laruccia é o local do ágape, na cobertura dos fundos da residência, com presença de alguns diretores e o 2º tesoureiro, Dr. Joaquim Soares da Silva. Entre os políticos convidados, estão alguns candidatos a vereança de Osasco e de São Paulo, com destaque ao nome de Antônio Sa
mpaio, irmão do deputado Cantídio Sampaio, únicos nomes lembrados.
A reunião segue prazerosa com apresentações dos problemas do Parque, tais como iluminação pública, asfaltamento, telefone público, reformas de casas etc. Joaquim é a testa do chopp, Modesto na churrasqueira, os demais e a esposa do Modesto, cuidando dos detalhes relativos a um bom resultado do evento.
Em dado momento, Modesto é solicitado a ir até a cozinha para algumas observações, pede ao Joaquim que dê uma olhada na pressão do compressor do chopp, novidade introduzida pela Antarctica, a fim de eliminar o obsoleto bombeamento manual. Já na cozinha, Modesto ouve Joaquim gritar:
- Modesto, o chopp está bom, mas carece de um pouco mais de pressão pra melhorar a espuma.
- Joaquim, cuidado, previne Modesto, dê só meia volta no... - não termina a frase. Violenta explosão ecoa da cobertura, Modesto sai correndo, todos ao redor da mesa, junto ao barril de chopp,
ensopados da bebida que espirra pra todo lado, deixa atônitos os presentes. Por um verdadeiro milagre, ninguém se fere; um detalhe que salva a todos é que o barril, já velho de uso, cede somente nos fundos, arroja todo o corpo como um foguete pra cima, abre buraco no telhado, causa somente prejuízo material. Passado o susto, todos caem na maior gargalhada e as reivindicações, são atendidas. Confessam que nunca tiveram recepção tão explosiva.

Por Modesto Laruccia

8 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Modesto,
ainda bem que vocês conseguiram as melhorias.
Meu coração doeu ao saberque tanta loira foi disperdiçada na explosão.
Fiquei com a garganta seca.

Soninha disse...

Olá, Modesto!
Que bom que já retornou! Fez boa viagem?
Tomara que tenha voltado milionário, né?!
Quanto ao texto, muito legal conhecer um pouco mais de sua história...este lado humanitário e reivindicador...
Adorei!
Antigamente estes apretechos, embora novidades para a época, exigiam habilidade para manusear.
Felizmente, a explosão não fez nenhum ferido...mas, creio que todos se sentiram vítimas por terem perdido o choppinho gelado, né?!
Valeu Modesto!
Obrigada.
Muita paz!

Arthur Miranda disse...

Modesto, bom retorno.
Sabe Modesto ainda bem que você não foi preso e acusado de terrorista ou subversivo, uma explosão dessas naquela época nebulosa de nossas vidas, bem poderiam ser confundidas pelos pais da pátria com subversão ou coisas que o valha, mais um pouco e você iria acabar recebendo “carinhos” do falecido torturador Fleury, ou algum outro menos conhecido e hoje em dia impune por aí.

Luiz Saidenberg disse...

Concordo com o Tutu, vc, Modesto, tão pacato, se metendo em explosões na época de maior repressão ?
Ainda bem que não haviam autoridades militares e religiosas presentes ao ato, senão era cana na certa. E tome pau de arara, em vez de chope!!!
Abraços.

MLopomo disse...

Modesto... Papagaio... Antonio Sampaio e Cantidio Nogueira Sampaio, é para bater na mesa 9 vezes... na minha casa soltaria o Pitbull.

wilnat disse...

Larù, ce la fatta, n'è vero? Tutto quello preciozo liquido a perdersi in aria... Se ben che uni, amato da Dio hanno provato un bel bagno.
Bella storia! Divertente!
Abraços,
Natale

Zeca disse...

Eita, Modesto!
Afinal, uma festa regada (DE VERDADE!) a chopp não é pra qualquer um! Com direito a banhar-se com a loira e tudo mais!
Os convidados ficaram tão satisfeitos (OU ASSUSTADOS?) que resolveram atender a todas as reivindicações pra não precisarem nunca mais voltar a lugar tão explosivo... rs.
Abraço.

Nelson de Assis disse...

É nisso que dá, mandar pessoas inexperientes 'operar' tão digno
equipamento. Estou chorando o 'choop' derramado até agora.
Esses políticos só sabem fazer m... mesmo, não é?
Abraços