sábado, 21 de maio de 2011

O Bixiga de todos


Parte I
Em 23 de junho de 1878, o jornal Província de São Paulo anunciava na sua primeira página: "Vendo, por propostas, todas as matas dos terrenos do Bexiga, pertencentes a A. J. L. Braga e Companhia". Estava dada a largada para o nascimento do bairro mais emblemático da capital: o Bixiga. Nessa época, a capital já experimentava o crescimento, com a chegada dos imigrantes; os italianos, que não toparam a aventura ingrata de colher café no interior, se interessaram pelos terrenos e aproveitaram os preços baixos - para lá, se mudaram em bando.
Por coincidência, a área era rodeada de Ruas estreitas com 60 palmos de largura e aclives, lembrando bem as pequenas aldeias da Itália. A maioria dos estabelecidos eram italianos calabreses, que logo perceberam, na nascente metrópole, a falta de mão de obra especializada. Lá foram eles: sapateiros, artesãos, padeiros, quitandeiros e tudo mais que um simples meio de sustento.
A partir de 1890, o bairro experimentou uma nova onda de crescimento, com chegada de mais imigrantes: portugueses, espanhóis e mais e mais italianos. Isso sem contar os negros, recém libertados. No início, era uma imensa torre de Babel, onde ninguém entendia ninguém, mas acabaram se acostumando uns com os outros e a coexistência foi pacífica.
Os primeiros registros referentes ao Bixiga são de 1559 e dão conta de uma grande fazenda chamada Sítio do Capão, cujo dono era o português Antônio Pinto (capão é uma porção de mato isolado no meio do campo). Décadas mais tarde, o local passou a se chamar Chácara das Jabuticabeiras, devido ao grande número de frutas existente nas imediações. Já na segunda década do século 18, o local pertencia a Antônio Bexiga. Ao que parece, o proprietário fora vítima da varíola; bexiga era o nome popular da doença e os enfermos eram conhecidos como bexiguentos.
Não foi todo mundo que gostou do Bixiga. É bom lembrar que o "e" da palavra Bixiga passou a "i" devido à boa fala popular. Em 1819, um viajante francês, chamado Saint Hilaire, percorreu grande parte do Brasil, inclusive São Paulo, depois publicando um livro a respeito. Nele escreveu que a única estalagem da cidade era a de um português, alcunhado de "Bexiga", e que era imunda. Fora, então, pernoitar na chácara Água Branca, em Pinheiros. Para muitos o Bixiga começa na Praça da Bandeira (que era conhecido no começo do século XX, como largo do Piques, devido às inundações, que dificultavam a passagem com o barro que se formava).
Quando você sobe o morro pela Rua Rocha estando lá em cima, de lá, você tem uma bela vista da cidade, da Avenida Nove de Julho, da Rua Paim, da Praça 14 Bis, do Vale do Anhangabaú e de outros rincões que sua vista alcança. Será esta a razão do Bixiga ser chamado de Bela Vista?

Parte II
O bixiga dos Italianos.
A Bela Vista mais conhecido com o Bixiga, foi o local escolhido por uma grande parte da colônia italiana. E faz muito tempo, Isso desde o tempo em que o Palmeiras ainda era Palestra Itália. E era depois de comer aquela bela macarronada, com porpeta e bracholas ia eles ouvir o jogo de seu querido time alvi verde. Depois do jogo com cadeiras na calçada, lá estavam às famílias de italianos e brasileiros e quem de outras nacionalidades estivessem, todos conversando animadamente, com o rádio ligado na Tupi ouvindo com som alto o programa festa na roça apresentado por Lulu Belencazzi considerado um Oriundi.

O Bixiga dos negros
A comunidade negra era volumosa no bixiga. Era o contraponto dos italianos em termos de futebol, a maioria era corinthiano. Quando jogava Palmeiras e Corinthians, era uma festa de vitrolas, cada uma tocando o hino de seus clubes. Era uma festa de xingamentos tudo na base da amizade. Tetsuno, pra cá e peidorreiros para lá. Depois do jogo sempre tinha alguém de cabeça inchada, e naqueles anos 1950, o Corinthians levava sempre vantagem ficando o periquito anos na fila das derrotas. Mas com toda essa rixa futebolística a convivência entre italianos e brasileiros era boa. A comunidade negra tinha como a maior bandeira do Bixiga o cordão do Vai Vai, que nos anos 1960, quando o carnaval foi oficializado, virou escola de samba e ganhou 12 títulos de carnavais. Escola de muitos amigos do peito, como a família Galvão. Do senhor Pedro Galvão. De seus filhos, Getulio, Mario e Bombeirinho. De Tobias, e muitos outros.
No Bixiga, dois clubes de futebol eram respeitados. O Boca Juniors, que por causa de uma cisão nasceu o Aristocrata Clube. Um magnífico clube com uma estrutura de fazer inveja. Era um clube que mostrava o desenvolvimento da raça negra. Vários doutores estavam sempre onde o clube ia jogar. Gente alegre e educada. Onde a batucada era o refrão que fazia todos gingar.
Eu mesmo testemunhei quando meu clube foi convidado a jogar no belo gramado que eles construíram no clube de campo, que o Aristocrata tinha na estrada de Parelheiros.
Quando você sobe o morro do Bixiga pela Rua Rocha esta lá em cima você tem uma bela vista da cidade, da Avenida Nove de Julho. E de outros rincões que sua vista alcança. Será que foi por isso que o Bixiga é chamado de bela vista?
Seja lá como for o Bixiga é um bairro que todos conhecem se não lá tiveram, pelo menos de ouvir falar, através do cinema ou da televisão, o Bixiga sempre esteve à vista de todos, graças a uma boa mídia que lhe foi dado. O bixiga sempre teve divulgadores. Era lá que Amacio Mazzaropi gostava de fazer seus filmes. O Corintiano, por exemplo, foi rodado lá. Muitos filmes mostravam ruelas e cortiços que o era uma coisa muito no inicio da década de 1950.
Foi lá que nasceu o Cantor Agostinho dos Santos. Mais precisamente na Rua Santo Antonio. Onde viveu até sua morte ocorrida a 11 de julho de 1973, devido a um acidente de avião nas proximidades do aeroporto de Orly, em Paris (França). Agostinho gostava de jogar futebol. Não jogava tão bem quanto cantava. Mas mesmo assim envergou as camisas do Boca Juniors e Aristocrata Clube.

Bixiga – o homem que mais o amou
Mas quem mais divulgou o Bixiga foi Armandinho Puglisi. Que muito cedo nos deixou. Armandinho amava o Bixiga como ninguém. Armandinho Puglisi foi o pioneiro do que hoje se chamam agentes culturais. Que nasceu como não podia deixar de ser, no mais significativo dos bairros culturais de São Paulo: o Bixiga. Descendente de italianos nasceu com ajuda de parteira em 1931, em casa na Rua dos Ingleses.
Cresceu, brincou, estudou, trabalhou, fez amigos, casou, sambou, agitou tudo sempre amando o bairro do Bixiga. Criou o Museu do Bixiga, reunindo peças do cotidiano da vida do bairro, e participou de todos os movimentos para elevar o nome do lugar, inclusive assíduo freqüentador do Bloco dos Esfarrapados e da Vai-Vai. Armandinho foi o que inventou em fazer um bolo do tamanho do ano de aniversario da cidade de São Paulo.

Por Mário Lopomo
Fonte: Mil Faces de São Paulo - Levino Ponciano - Editora: Fênix

6 comentários:

Wilsonnatale disse...

Beleza, Lopomo!!! Uma visão e viagem pelo Bixiga em todos os tempos. Quem conhece vai relembra a "bela vista" que se tinha da Cidade e seu entorno. Quem não conhece vai querer ir até lá para constatar. Ainda pode-se ter um pouco da "bela vista" quase escondida entre os prédios.
E faço um acrécimo à memória do Bixiga: Entre os imigrante italianos estavam os "muratori" que eram um misto de pedreiros, empreiteiros,engenheiros e arquitetos. Com a vinda deles o bairro italianizado pelos seus moradores, italianiza-se pela arquitetura.
Valeu, Lopomo!Pela história e pelos eventos e personagens do bairro.
Abração,
Natale

Modesto disse...

Em quatro robustos parágrafos, toda história do famoso bairro que, de tão próximo ao centro, pode-se dizer que é uma extenção da célula. Hoje, entre os antigos e a modernidade da Paulista, lembra a grandeza que inspirou vários artistas. Um bairro mesclado de etnias das diversas origens, engrandece, sobremaneira a beleza de nossa querida cidade. Um texto portentoso contando detalhes acolhedores e significativos, bem dozados nas suas indicações. Parabéns, Lopomo.
Modesto

Soninha disse...

Olá, Mário!

Bonito trabalho de pesquisa do Levino Ponciano e trazido por você ao nosso conhecimento, mostrando-nos a importância dos imigrantes dos quatro cantos do mundo na cultura de nosso povo, principalmente sobre o povo paulistano.
Valeu!
Obrigada.
Muita paz!

marcia ovando disse...

Uma verdadeira aula sobre esse bairro tão querido!
abraço

LAERTE CARMELLO laertecarmello@hotmail.com disse...

Mário, como descendente de italianos
claro que fiquei muito emocionado com este post do Bixiga, devido razões culturais, históricas e sentimentais.
Muito oportuna foi a lembrança de Armandinho Puglisi(Armandinho do Bixiga)que fundou o Museu do bairro
na R.dos Ingleses, porém ouvi falar que o referido Museu fechára as portas em 2008 devido falta de recursos, mas que agora em 2011, por ser o ano da Itália no Brasil, as autoridades iriam reabri-lo.
Alguém tem notícias?
Caro Mário, parabéns por mais esta
majestosa aula sobre Sampa!

Nelson de Assis disse...

Mario.
Em sua belíssima crônica, que mais pareceu uma aula de história geral de um bairro igualmente emblemático, só faltou falar de mim - rsrsrsrssssss.
Sou nascido e criado neste bairro e conviví, nos meus tempos infantís, ao lado de personagens que hoje povoam as minhas saudades.
Agostinho dos Santos, Marcos Paulo Sesso, Vicente Sesso, Adoniran Barbosa, Wilson Miranda, Antonio Marcos e tantos outros.
Parabéns pela aula, professor.