segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

“LARUCCIA VERSO ALL’ OTTANTINA”!(LARUCCIA A CAMINHO DOS OITENTA ANOS!)


Impossível fazer um texto sobre o caríssimo Laruccia sem cair no italiano e mesclá-lo ao Português. Então, vai lá:
“Laruccia se ne và all’ottantina! Che vadda all cento e più - e più di più”!
(Laruccia vai fazer oitenta anos! Que vá aos cento e tantos e muitos mais!)
Oito décadas sem perder a juventude e o bom-humor! E o melhor de tudo: “inteiraço” de corpo e mente!
Larù, mio tanto caro amigo. Você é um dos responsáveis – ou um dos culpados – por todos os textos que tenho postado (risos).
Eu explico:
Leitor assíduo do “São Paulo, Minha Cidade” resolvi que já era hora de postar um texto. Um texto que, além de divertido era nostálgico e emocional.
Em 18/06/2008, foi publicado o meu texto – “Bonde, esse criador de casos e de causos.” Entre os comentários do Lopomo, Miguel, Saidenberg e outros, estava o seu:
"Presto, presto! Che siamo in rittardo!" Que bela abertura de texto, Wilson. Com direito a legendas, no final. Como é gostoso lembrarmos estas ocorrências e ainda com o palavreado que nossos pais recorriam, sem saber que estavam dando aulas de um idioma estranho aos "forastieri"(os não oriundos) e que nós, descendentes, aprendíamos com a eterna facilidade das crianças em absorver tudo. Auguri, Natale, hai fatto un vero e bello capo-lavoro. Modesto.“
Comentário muito importante, não pelos elogios, mas pela sua alma de “oriundi” que viu além do texto a vida de um filho de imigrantes, a sua vida, a vida de muitos de nós. E foi muito bom ler a ”sua voz de oriundi” naquele texto que foi publicado um mês depois da partida da minha “mamma”. Você, um igual (Oriundi), notando os pedacinhos de vida que o texto, subliminarmente, continha. E fez com que eu lembrasse que esses pedacinhos continuam em mim para sempre. “Grazie tante, amico mio”!
Foi assim que começou a nossa amizade no virtual. Mas tão REAL no que se refere ao amor fraterno e ao respeito que tenho por você.
E quanta coisa nós temos compartilhado nesse quase quatro anos de SPMC e do MEMÓRIAS DE SAMPA!
E quanta coisa ensinamos, o quanto aprendemos com os outros autores!
As suas, as deles, as minhas histórias da vida desta cidade. Gente importante, gente anônima; pedaços do cotidiano; acontecimentos; tragédia urbana, tragédia humana... Festas comemorações... Enfim, as mudanças sofridas por esta Cidade de São Paulo que amamos intensamente.
Dia-a-dia, vamos mostrando às gerações as muitas São Paulo em suas décadas.
E você, Larù tem contribuído muito para isso: Opiniões sobre a atualidade, resgatando personalidades até então esquecidas; trazendo à luz – quase como em uma fotografia a paisagem do velho Brás com “Z”, fazendo mais e mais, valer a frase “Memória é História”.
E agora você está ai, a caminho dos oitenta, com uma bagagem e tanto! A sua história, a História, a sua Memória. E revivendo na Internet os momentos da sua vida. Vida de vencedor, lutador. E é uma honra e alegria acompanhar os seus textos.
Eu me sinto feliz por ver através dos seus olhos e textos essa São Paulo que eu não vivi e que vivi através de você. É que eu nasci em 1948 e só fui cair na vida nos anos 60... (risos)
Larù, bello. Sou desbocadamente honesto: Ficaria p... da vida com Deus se ele não permitisse que os nossos caminhos se cruzassem!
Parabéns antecipados “mio grande amico”! Obrigado por existir. “Se non vi fossi, bisognerebbe inventarlo”! (Se você não existisse, seria preciso inventá-lo!)
“Un bacione in testa”,

Por Wilson Natale

18 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Natale,l linda e sincera homenagem ao nosso Laruccia.
Esse Laruccia incrivel que eu e tantos outros temos a felicidade de conhecer e privar de sua amizade ao vivo e à cores.
Espero, sinceramente, que tua amizade tão virtual possa ser coroada com os laços de uma amizade real na proxima Rodada de Redondas.
Estou torcendo por isso!
Aliás, seria uma honra imensa, para mim, poder lhe abraçar tambem no real, ao lado de uma bela pizza.
Miguel

Luiz Saidenberg disse...

Bellissimo scritto, Natale.
Auguri! Pena que o Modesto não gostou do meu texto. Seria por ter insistido no Brás com S?

Unknown disse...

Natale,você além da bela homenagem ao Modesto,fala do SPMC. A SPtur,teve a feliz idéia de criar o site,nos proporcionando momentos de saudades com a leitura dos textos e, também a chance de criarmos novas amizades,reais e virtuais.
Um abraço / Bernadete

Falcão do Morro disse...

Natale podemos verivicar em todos os textos aqui publicados que um fato é comum. A capacidade do Modesto de nos motivar com seus comentários aos nossos textos. Você foi brilhante na formna de destacar esta virtude de nosso amigo.

Grande abraço
Falcon

Zeca disse...

.

Natale!

Belíssima forma de homenagear o nosso estimado Modesto! Embora tenhamos a mesma idade, você, para mim, é comparado ao grande homenageado do mês! Sua forma sempre agradável de escrever me transporta para os lugares, os acontecimentos, tanto quanto nos escritos do Modesto.
E como não tive o prazer de conhecer pessoalmente nenhum dos dois, espero poder presentear-me com essa alegria no próximo encontro, em fevereiro.

Abraço

.

Soninha disse...

Oieeee...

Sabe, Wilson, tenho lido todos os textos que tem chegado para mim e fico emocionada a cada um deles.
É incrivel o respeito e amor que todos tem pelo nosso queridíssimo Modesto.
Muito bacana o modo como todos se mobilizaram e, sem esforço, conseguiram escrever alguma coisa para ele... O mais incrivel são os belíssimos textos que os autores estão fazendo para homenagear nosso amigo oitentão, né?!
Seu texto ficou MARAAAAA!
Obrigada.
Muita paz!

Soninha disse...

A propósito... Gostou da foto?

Trate de ir a um dos encontros das redondas para eu ter fotos sua com a turma, táááááá!!! rsss
Tenho montado algumas fotos para poder ilustrar os textos para o Modesto, pois ele merece sempre algo especial.

Mais paz!

Cida disse...

Meu Deus, cada texto!!! Natale, você me emocionou,imagino o senhor Modesto sendo homenageado, como se sente... Pura emoção, vocês escritores. Agradeço eu poder participar disso tudo.
Abraços

Laru disse...

Natale, da vero, tu me fai piangere... Non so cosa da dire a nun vechio ottantine, il cuore si spaca, presto, presto. (Natale vc, de verdade me faz chorar... Não são coisas que se falam a um velho oitentão, o coração vai esplodir)
Vc sabe, Wil que quando, no comentário que vc fez no texto do Luiz, se não estou enganado, vc comenta sobre a origem do meu sobrenome. Existe mesmo essa possibilidade de ser "rocha" pois, meu avô Vito era mestre de obras, (equivalente a um engenheiro, na Itália) construiu casas de montão no Braz e adjacências. Lembro de garoto meu pai mostrava as casas que ele construiu, hoje quase todas deram lugar a outras casas mas, deve haver algumas ainda de pé. E quando estive, pela segunda vez em Polignano a' Mare, conheci uma casa de materiais de construção com a sigla "Vito Laruccia". Vc tem toda razão, aprendemos e ensinamos muita coisa, eu não sabia da origem do meu sobrenome, sinceramente, nem na Itália descobri. Sinto-me honrado em contar com sua amisade, Natale, prefiro sinceridade, como vc diz, rude do que louvável mentira. Não que vc seja "rude", não, per Dio, tu sei amabile, tropo assai. É quando nós brincamos com as expreções que usava-mos no linguajar de nossa meninice. Era gozado e gostoso, né Wilson? Quando vc nasceu, em 1948, eu e meu irmão,já trabalhavamos na industria de calçados e estudava no Senai da sua Mooca, (é da sua mesmo, não errei por rua, não pois a escola estava na rua da Mooca, os fundos, com a frente, depois pra rua do Oratório.
Natale, adorei, sob todos os aspectos, seu "capo lavoro". Vc é um mestre, como vc sabe das "coisas", não?. Quero aproveitar mandar um recado pro Saidenberg, não sei onde ele foi buscar que não gostei do texto dele. Repito, Luiz adorei, gostei mesmo. Não esqueçam, principalmente vcs dois, Luiz e Natale, dia 10 nas redondas, por favor, não vão faltar, prometo levar um bolo. Tá?Um baccio a tutti nostri compagne di sacrita. Arrivederci i un baccio a tutti.
Laru

margarida disse...

Natale, que mega homenagem você trouxe para o Modesto. Já vi o quanto ele gostou.O convite está feito, apareça nas redondas, será um grande prazer para todos nós.Um abraço.

suely aparecida schraner disse...

Muito boa essa integração. Não me canso de ler os textos e os comentários. Valeu, Natale!

Luiz Saidenberg disse...

Beleza, Modesto. Que bom que vc gostou de meu Modesto escrito. Êpa, vai ter bolo???!!!
Só me resta repetir, como o Miguel e a Sonia sempre fazem: - queremos boooolo!!! Abração.

Soninha disse...

Vai ter bolo???
Uebaaaaaaaaa!
QUEREMOS BOLOOOOOOOOO!

Muita paz!

Lia Beatriz Ferrero Salles Silva disse...

Escrever o quê!
Depois de ler tudo o que foi escrito só me resta aplaudi-los e repetir, novamente, que todos vocês são FENOMENAIS!

Asciudeme disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Asciudeme disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Wilson Natale disse...

Beleza Larù! Teu nonno Vito era um "muratori"
Ser um "Muratori" era a somatória de um engenheiro, arquiteto, chefe de obras, capataz e peão. Vale dizer que era um homem conhecedor e capaz de fazer de tudo em uma construção. E, em São Paulo encontramos ainda uma infinidade de residências construídas pelos "Muratori". A Mooca tem muitas delas.
Quanto ao seu sobrenome foi interessante. Falava de você a um amigo e pronunciei os seu sobrenome que, em italiano é pronunciado quase como dois "erres" (erre dolce). O som fez com que eu lebrasse como se dizia ROCHA no dialeto - RUCCIA.
O SENAI da Mooca continua o mesmo. A entrada ainda é pela Rua Oratório. O lado da Rua da Mooca tem agora um prédio novo onde está a parte administrativa.
E você merece cada linha do meu texto.
80 bacioni in testa,
Natale

Wilson Natale disse...

AGRADEÇO A TODOS os comentários.
O Larú "se lo merita ogni parole scritta da me"! O Larù merece cada palavra que eu escrevi!
Abração,
Natale