sábado, 22 de janeiro de 2011

Memórias de um nome

Ano 1971, Dezembro, estávamos vivendo o penúltimo mês de nossa gravidez. O parto, já sabíamos, não seria natural. A torcida era para saber qual data o médico, Dr.Bianchi, iria marcar para promover a cesariana.
Eu e a Da. Cida tínhamos decidido, desde o nascimento da Renata, que os nomes de todos os nossos filhos, se acaso houvesse outros, seriam simples (não queríamos nomes compostos), e iniciariam pela letra R.
Tínhamos corrido diversas listas de sugestões de nomes, listas do antigo INPS, em busca de nomes com a inicial escolhida.
Foi, então, que uma preocupação assomou a minha mente de pai dedicado.
O nascimento se daria em Janeiro, mês em que minha cidade
aniversariava também. Se a cesariana fosse marcada para o dia 25, eu, em sã consciência, não iria poder manter o acordo e o nenê (não quisemos saber o sexo), não poderia ter seu nome iniciado por R.
Teria que, obrigatoriamente, chamar-se Paulo ou Paula, em homenagem à minha Sampa das 13 listas.
Eu, por minha vez, tinha resolvido ainda, cantar a plenos pulmões, a marcha rancho de autoria, se não me falha a memória, de João Pacífico e gravada por Nelson Gonçalves, intitulada Bandeira das Treze Listas, cuja letra, me lembro bem, era assim:
Abre a Bandeira das Treze Listas
E apresente ao Turista
Esta imensa São Paulo, gigante troféu.
Mostre atrás dessa bandeira,
A jóia bem brasileira,
Cidade dos arranha-céus.
Abra os braços ao mundo inteiro,
E conte ao estrangeiro,
A historia dessa criança
Conte o seu passado de glorias
Conte por fim toda a historia
Que é do Brasil a esperança.
Mostre atrás das terras meu sertão
Minha casinha de sapé
Mostre o ouro branco, nosso algodão,

O ouro verde o café
Mostre as nossas verdes matas,
Mostre o céu azul de anil.
Mostre o seu cartão de visitas,
Essa bandeira paulista,
Este São Paulo, Brasil.
Enfim, por ser feriado, o médico resolveu que a cesárea seria efetuada no dia 26 de Janeiro, um dia depois do aniversário de Sampa, na tradicional Maternidade São Paulo.
Nossa filha nasceu e de acordo com o combinado, foi batizada Roberta. Roberta Chammas.
Ela, com o passar dos anos abominava a data de seu nascimento por que, era em pleno mês das férias escolares e, em suas festas, suas coleguinhas não apareciam e, lógico, menos presentes ela abiscoitava, mas esta é outra lembrança e será relatada noutra ocasião

Por Miguel Chammas

8 comentários:

Arthur Miranda disse...

Oi Miguel, que bom que nessa historia você colocou a letra da musica BANDEIRA DAS TREZE LISTAS, pois eu não me lembrava mais a letra. Boa lembrança e belo e oportuno relato,Uma hemorragia de Parabéns. kk

suely schraner disse...

Que bom que esta combinação gerou essa história linda!

Zeca disse...

Muito bom, Miguel!
Principalmente sua memória, que ainda guarda a letra completa da música. Eu, por exemplo, não consigo lembrar dela. Perdeu-se em minhas memórias, com o passar do tempo!
E sua filha, mesmo sem receber o nome Paula, acabou tendo um nome que, além de bonito é bastante forte: Roberta.
Parabéns por mais este belo texto!
Abração.

Luiz Saidenberg disse...

E assim Roberta escapou de ser Paula, ou Paola, como se chamam as mais modernosas, italianado o nome , mas pronunciando PaÔla, e não Paula, como é na língua da Bota. Belo e carinhoso texto, Miguel !

Jens disse...

Intenso o teu amor por São Paulo, camarada Miguel. Depois nós, gaúchos, é que somos bairristas, hehehe...
Ao contrário da tua filha Roberta, na infância gostava da data do meu nascimento - 30 dezembro -, pois ganhava presentes em dobro. Já na adolescência passei a não gostar, pela mesma razão que ela - estava todo mundo de férias, viajando. Hoje prefiro esquecer que aniversario, na vã esperança de parar o tempo.
Por fim, estimulado pelas tuas lembranças - e também atendendo uma convocação da tua Soninha vou escrever, lá na Toca, sobre a minha primeira vez em Sampa - uma experiência fascinante e assustadora.

Um abraço.

Wilsonnatale disse...

Miguel: Paulo/Paula,no meu tempo de criança tinham um apelido comum aos dois gêneros: PAULADA (risos).
E nascer em janeiro é, sem dúvida, uma "barra". As minhas festas de aniversário parecia uma "reunião geriátrica da tias-avós".
O bom é que nós, os aquarianos, não "esquentamos" com isso. Apenas ficamos na TPM... Ahahahahahaaaa!
Boa essa lembrança das treze listras!

Abração,
Natale

Soninha disse...

Olá,amor!

Minha mãe gostava de nomes compostos...
Minha irmã mais velha e eu temos nossos nomes compostos...Diferente de meu irmão e de minha irmã caçula.
Eu também faço aniversário no mês de férias escolares, Julho, e ficava também ficava triste. Mas, curtia e curto muito meu dia de aniversário.
Quanto aos nomes...todos são bonitos...Ao menos para os pais e mães que os escolhem.
Valeu!
Muita paz Beijossssss

Laruccia disse...

Miguel, o nascimento de sua filha empata com a data de meu casamento. Fala pra ela que é um ótimo dia, dentro do signo de aquário, como é, também o meu aniversário, (05\02\32), do Natale, do Lopomo, sê vê...só coisa boa. Não importa o mês que vc nasce, todos são aquarianos.
Parabéns, Micheluccio.
Modesto