segunda-feira, 14 de maio de 2018

Somos largados, mas somos unidos














Início dos anos 1960,  eufazia o curso de secretariado no período da manhã no Colégio Comercial Frederico Ozanam, à tarde trabalhava na São Paulo – Companhia Nacional de Seguros, ligada ao Banco Comercial do Estado de São Paulo, como auxiliar de escritório, e à noite fazia a Cultura Inglesa.
Era puxado. Não havia tempo para almoçar. Era cachorro quente com guaraná, na Salada Paulista. Esse primeiro emprego, eu posso dizer, foi um estágio, pois comecei a usar a taquigrafia e melhorar minha velocidade na datilografia. Depois, com o diploma na mão, ficou mais fácil conseguir meu sonhado emprego de secretária.
Essa dureza acontecia de segunda a sexta, porque no sábado vinha a recompensa e valia realmente a pena.
No segundo ano do curso, começamos a nos preparar para a formatura. Os rapazes da Contabilidade, que era no período noturno, apareceram para propor uma reunião de todas as turmas para as comemorações de final de curso. A ideia era juntar Contabilidade, Secretariado e mais a turma que estava terminando o ginásio numa só festa. Primeiras reuniões, eleição da comissão de festas, o que fazer para angariar fundos, sugestões. Enfim, a partir daí começaram a aparecer as rifas, os bailes pró-formatura, novas amizades.
A escola era para alunos de baixa renda, mas oferecia muita atividade extracurricular e havia sempre passeios organizados por algum professor, como uma aula/piquenique, onde aprendíamos sobre tipos de rocha, ou lá no alto do Pico do Jaraguá, recebíamos informações sobre as trilhas dentro do parque. Isto é, os professores se esforçavam, mas nem todos estavam dispostos a uma aula em pleno domingo.
“Nem todos” éramos nós, um grupo à parte, os da comissão de formatura e vários agregados e simpatizantes. Tanto que um professor uma vez falou que éramos largados, pois nos passeios da escola ficávamos separados dos outros alunos.
Acabou se tornando a turma mais famosa da escola e a mais heterogênea. Começou a se formar a partir das primeiras festas pró-formatura, os primeiros namoros, os primeiros piqueniques. Se encontraram, foram ficando e não mais se largaram. Tinham até um hino que dizia “Largados uma vez, largados toda vida. Largados sem preconceito, somos largados, mas somos direitos. A alegria é o nosso lema e com respeito não temos problema. Somos largados, somos queridos, somos largados, mas somos unidos”.
A escola não existe mais, mas há mais de 50 anos se encontram para celebrar a amizade.

Por Teresa Fiore


4 comentários:

Memórias de Sampa disse...

Olá, Teresa!

Que bacana esta sua recordação. Muito melhor ainda saber sobre como nasceu a turma dos largados.
Boas lembranças! Adorei!
Queremos mais.
Muita paz!

Sonia Astrauskas

Miguel Chammas disse...

Teresa, os Largados são a prova, incontestável, que amizades sinceras são intermináveis. Graças a Deus nossa turma é assim. Somos idosos, mas somos Largados! Somos felizes e ponto final.

Teresa disse...

Pena que muitos sumiram pelo mundo. Outros já se foram deste mundo. Sem saudosismo, mas boas recordações de um tempo melhor ainda.

Wilson Colocero disse...

Emocionante! Nada mais a acrescentar.