sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Tragédia do Cine Oberdan


E aí, o Facebook me fez lembrar do Cine Oberdan da minha infância.

O prédio ainda está lá na Rua Ministro Firmino Whitaker esquina com a rua Sayão Lobato, onde hoje está a matriz das lojas Zelo.

Uma bela construção que já foi teatro de luxo. Escadarias de mármore, fachada imponente, plateia, com frisas e camarotes, balcão também com camarotes e a galeria. Lá se apresentavam grandes companhias de teatro do início do século XX. Isto tudo quem me contava era meu pai amante do teatro e da ópera. Apenas para lembrar, havia também o Teatro Colombo, que ficava no Largo da Concórdia, por onde passaram também os grandes do teatro brasileiro e foi lá a última apresentação de Francisco Alves.

Bem, voltando ao Cine Oberdan. Numa matinê de domingo, o cinema cheio de crianças e o filme era “Criminosos do Ar”. Em dado momento, numa cena de desastre ou algo parecido, alguma criança na plateia gritou “Fogo!” e isso foi o suficiente para que começasse a correria para fugir da sala enorme e lotada.

Naquela época, não se pensava muito em segurança e as saídas não eram suficientemente largas para que a criançada escapasse daquela armadilha, correndo desesperada e em pânico. Conclusão: muitas caíram atropeladas na correria, outras se jogavam escada abaixo tentando escapar do “fogo”, muitas morreram; foram trinta crianças e apenas uma mulher que, para proteger a filha com o corpo, morreu. Era um bebê que sobreviveu.

E o Cine Oberdan também sobreviveu e depois da tragédia e do luto, reabriu e ficou em atividade até o início dos anos 1960. Não era cinema de nenhuma rede, portanto, os filmes que passavam lá, já tinham passado em outros cinemas há muito tempo, mas tinha algo que os outros do bairro não tinham: a fita em série. E eu me lembro muito bem de O Falcão do Deserto cujo último capítulo eu não assisti.

Para mim, isso foi uma tragédia.


Por Teresa Fiore

7 comentários:

Memórias de Sampa disse...

Olá, Teresa!

Que alegria ter você aqui, escrevendo suas histórias.
Esta que você lembrou, realmente, foi uma grande tragédia. A história da cidade tem mais este registro triste.
Porém, numa mega metrópole como a nossa, tem muitas histórias alegres, tristes, engraçadas, intrigantes, peculiares, etc... Não é mesmo?
Adorei!
Venha mais vezes. Estamos esperando.
Muita paz!

Sonia Astrauskas

Miguel Chammas disse...

Teresa conheci o Cine Oberdan (eu pensava, quando pequeno, que o dono era o meu ídolo, o goleiro do Palmeiras) e o Teatro Colombo. Passava por eles todas as semanas quando ia e vinha das visitas à casa de meu avô na Rua 21 de Abril. No Oberdan nunca entrei mas no Teatro, fui algumas vezes assistir a encenação da Vida de Cristo. Teu texto está muito bem escrito e mesmo contando uma tragédia, agradável de ser lido. Parabéns!

Wilson Colocero disse...

Lamentável perder o último filme de uma série, principalmente naqueles tempos sem reprises, sem youtube, sem google pra procurar... Mas eu ainda trocaria tudo isso por uma volta àqueles tempos, em que a felicidade era feita de coisas bem mais simples...

suely schraner disse...

Que linda história. Inspiradora também.

Tais Lenzi de Luca disse...

Prezada Teresa
Quando ocorreu a trágédia do Cine Oberdan.
Parabéns pela sua narração.

Luiz Saidenberg disse...

Nunca vi o Cine Oberdan-não fica em minhas regiões. Mas esta tragédia ficou famosa, uma estupidez absurda. Ouvi falar de outra semelhante do Cine Alhambra, na Rua Direita. Pânico estúpido,sem motivo, corre-corre e muita gente pisoteada e morta. Pobre humanidade !

Marcos Loureiro disse...

Coisa de louco. Que tristeza...