segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

A estadia cardinalícia.



Toda manhã, quando vou para a vidraça, a primeira coisa que se vê é o capuchinho vermelho de Sua Eminência, assentado numa cadeira ou na mesa de jardim.

É o primeiro da fila para ganhar quirera, que distribuo em seguida. Enquanto as rolinhas ficam se perseguindo, e agitando os leques das asas para afastar as outras, o Cardeal permanece indiferente a elas, na sua postura majestática. Surge como se fosse o Papa, na Praça do Vaticano. Certamente fugido de alguma gaiola, destaca-se por suas cores da multidão plebeia.

E faz mais de uma visita diária ao nosso jardinzinho de nossa casa no Brooklin. Por algum motivo, desde que apareceu, dedicou sua afeição a esta casa, e deve ter feito ninho aqui perto. Uma vez, até chegou a adentrar nossa sala, ficando nos altos da vidraça, sem saber sair. Meu filho apanhou-o gentilmente, conferiu sua aparência e soltou-o.

No dia seguinte estava de volta, em nada afetado pelo incidente. Espero mesmo que tenha gostado de seus aposentos e que nos dê, para sempre, a honra de sua ilustre visita, distribuindo bênçãos a todos nós, que estamos sempre necessitados.


Por Luiz Saidenberg

4 comentários:

Memórias de Sampa disse...

Olá, Luiz!

Nas coisa mais simples podemos observar a riqueza da vida... A natureza é uma delas. Nos ensina, nos revigora, nos mostra, nos faz entender a humildade, a simplicidade, o amor à vida.
Este pequeno pássaro é exemplo disso. Humilde, amistoso, fiel.
Que bom que ele sempre está aí, em seu lar.
Feliz Natal. Feliz 2018.
Muita paz!

Sonia Astrauskas

MARGARIDA PEDROSO PERAMEZZA disse...

Luiz, é o carinho que você demonstra a ele , assim as visitas serão eternas. Que benção!

Eloi Fonseca disse...

Maravilha! É mágica a foto.

marcia saidenberg disse...


Sua Santidade continua firme e forte, também é tanto acepipe!
Estamos até nos falando!!! Nosso curso de passarinhes está em estágio avançado!
Abraço à todos.