segunda-feira, 11 de julho de 2011

Meu querido Centro


Saudade do Centro... Centro Espírita Ana Vieira. Frequentei por 31 anos.
O Centro de Assistência e Promoção Social Ana Vieira é uma instituição filantrópica, com 3 unidades distintas. A sede do próprio centro à Rua Entá, 202, Alto da Mooca, a creche Irmã Chiquinha, localizada na Rua Professor Raul Briquet, 220, Alto da Mooca, e a Casa de Amigos, que fica na Rua Teresina, 139, Mooca.
Centro de Assistência e Promoção Social Ana Vieira, fundado em 15 de abril de 1941, é um trabalho de solidariedade e amor e há 70 anos a entidade é respeitada na região, onde realiza o atendimento à pessoas carentes, por meio da participação voluntária. Seus programas sócio-educativos estão voltados para famílias carentes cadastradas, gestantes, moradores de rua e jovens.
São distribuídas cestas básicas, além de roupas, material escolar, brinquedos e uma infinidade de utensílios e objetos que são doados pela comunidade local e adjacente.
O Centro oferece, ainda, cursos da Doutrina Kardecista para 250 pessoas, ao longo da semana, tanto à tarde como à noite, também com turmas aos sábados; neste dia em especial, recebe as crianças e jovens, para as escolas de evangelização e muitas outras atividades.
As gestantes assistidas participam de um curso de 3 dias e recebem um enxoval completo e novo para recém nascido.
A Creche Irmã Chiquinha, inaugurada em 1994, possui uma estrutura exemplar. Em uma área de 1.000 m² recebem atendimento gratuito 130 crianças carentes, na faixa de 2 meses a 4 anos de idade.
Profissionais qualificados realizam o trabalho de orientação pedagógica e de apoio psicológico às crianças, em um ambiente seguro e agradável, projetado para o bem estar infantil, com sanitários e mobiliário adequados. É desenvolvido um sólido trabalho de formação e desenvolvimento infantil, com atividades educativas, esportivas e culturais, sendo oferecidas 5 refeições balanceadas, diariamente.
A casa dos Amigos atende a 500 moradores em situação de rua, oferecendo alimentação, banho, assistência médica, odontológica e auxílio no aprendizado de nova profissão ou na recolocação no mercado de trabalho.
Eu frequentei o Centro, por 31 anos consecutivos e hoje, por estar morando em outra cidade, não tenho ido regularmente ao Centro Ana Vieira, casa abençoada que por tantos anos me ensinou e me auxiliou a encontrar caminhos mais acertados, com discernimento e fé.
Tenho muitas histórias a contar sobre isto. Voltarei a falar, em breve.

Muita paz!

Por Sonia Astrauskas

8 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Amor, essa instituição foi importante, sempre, ao nortear seus procedimentos e sua vida.
Tenho provas absolutas de quanto as marcas indeléveis ficaram impregnadas em teu caráter.
É muito bom ter lembranças desse nivel e ser lembrado assim, com tanto carinho.

Luiz Saidenberg disse...

Louvável e nobre Centro, e certamente tb as pessoas que o frequentam. Parabéns, Soninha.
A Márcia tb ficou muito feliz em saber, e lhe envia, como eu, um abração.

Zeca disse...

Soninha,

escreva mais, sim, a respeito do Centro Ana Vieira - e sobre os trabalhos que você realizou ali.
Infelizmente, uma das faltas que sinto aqui, neste pedacinho do paraíso (imperfeito, como tudo), é não termos um lugar assim, confiável e pronto para realizar um trabalho que confere dignidade aos assistidos, além de ampliar o conhecimento dos voluntários (ou não, necessariamente voluntários).
Parabéns à instituição! E parabéns a você, pela dedicação de parte de sua vida a um trabalho tão nobre!

Beijão.

Arthur Miranda - tutu disse...

Parabéns Soninha,pela dedicação ao centro e por ter escrito sobre esse tema,lembrando a todos nós a importância da trabalho voluntario e de nossa dedicação aos irmãos necessitados.durante dois anos de minha vida em Taubaté fui Voluntário do CVV- Centro de Valorização da Vida, e em 1974 fui atendente no Pronto Espiritual que funcionava nos fundos da Igreja da Consolação na Capital ( atendíamos alcoólatras, drogados e prostitutas em plantões de 24 horas três vezes por semana. Isso me fez muito bem, valeu muito a pena, Foi Ótimo poder recordar um pouco tudo isso, motivado por essa sua bela narrativa.

Laruccia disse...

Que prazer imenso que a gente sente ao saber que AINDA existem estes centros, como o de Ana Vieira. Nem tudo está perdido, Sonia e vc é testemunha dessa verdade. Sente-se nas suas linhas, uma ternura de extrema bondade e amor au próximo, Sonia, realçando os trabalhos do Centro onde o respeito e a dignidade dos menos favorecidos são levados em considerações com muito amor.
Parabéns e conte mais histórias a respeito, como vc promete.
Laruccia

suely aparecida schraner disse...

É um trabalho que merece ser divulgado e valorizado. Parabéns, Sonia!

Teresa disse...

Sônia, agora eu descobri porque gostei de você, apesar de termos nos falado muito pouco. Falamos a mesma língua. Que você continue recebendo a luz de nosso Mestre. Teresa

Wilsonnatale disse...

Centros como esse são verdadeiros oásis de aprendizado. E o que dizer sobre o seu texto e tema?...
Eu poderia dizer tantas coisas. No entanto prefiro a síntese de um poema da Auta de Sousa:
"Mãos no trabalho são a prece muda dos nossos corações vencendo o espaço."
Nada como um Lar que nos propicia semear fé, esperança e fraternidade!
Abração,
Natale